A Inteligência Artificial será a ‘maior arma’ da esquerda contra a fé, diz especialista

0
424

IA não pode ‘aprender o Evangelho como os humanos podem’. (Foto: Unsplash/Maximalfocus)

Segundo Dan Schneider, a esquerda política controla a Inteligência Artificial e a levará para onde quiser.

Conforme a discussão sobre inteligência artificial (IA) nos EUA se intensifica, líderes religiosos e estudiosos estão examinando as possíveis implicações que essas novas tecnologias podem ter no culto, tanto em sua prática quanto em seu papel na vida moderna.

Há também especialistas e líderes religiosos que preocupados se a religião terá algum espaço na programação da IA – ou se o intelectual terá prioridade sobre o espiritual na sociedade.

Segundo eles, isso é possível e até provável.

Dan Schneider, Media Research Center e vice-presidente da Free Speech America, é direto e enfático em sua avaliação com relação ao tema.

“A esquerda [política] controla a IA, e a esquerda está indo para o que ela quer fazer”, disse Schneider em uma recente entrevista por à Fox News Digital.

Esquerda e religião

“A esquerda despreza toda a ideia de um ser superior que estabelece padrões de certo e errado”, disse ele, acrescentando que “a esquerda vê a religião como o motor que destruiu diferentes sociedades e povos ao longo da história”.

Ele continuou: “Eles culpam a religião por isso – quando é a religião a responsável pela maior parte do bem que aconteceu no mundo”.

Schneider acrescentou que a IA “será a maior arma contra a fé, contra a verdade, contra a religião. A palavra ‘Deus’ – não veremos isso como uma prioridade na programação da IA”.

“É importante lembrar que precisamos mais de transformação do que de informação.”

Schneider disse ainda que que é importante que os crentes saibam as desvantagens da inteligência artificial, se envolvam com as questões que a cercam, em vez de “se esconderem dela”.

Política

Ao comparar a IA à política, Schneider acrescentou: “O que sabemos é que as pessoas de fé hoje estão menos interessadas em política do que há 10 anos”.

“É como se tivéssemos voltado para a década de 1950 [ou] 1960, onde as pessoas de fé pensavam que talvez a política fosse apenas para outras pessoas se envolverem.”

Schneider afirmou que, assim como na política, os cristãos que têm mais experiência com as tecnologias emergentes estarão mais preparados para lidar com as implicações da IA.

“Existem muitas vantagens em potencial para a IA, mas [os crentes] precisam acordar”, acrescentou.

“A esquerda controla as ferramentas da IA, e a esquerda quer levar isso para a guerra contra as pessoas de fé no futuro”, disse ele.

Ele acrescentou: “Se as pessoas de fé estão vendo valor nisso hoje, elas precisam se engajar nessa luta para proteger o lado positivo da IA ​​para amanhã”.

O pastor Jesse Bradley, de Auburn, Washington, disse que a “realidade” é que a utilização da IA está acrescendo em nossa cultura e é “muito poderosa”.

Violações e manipulações

A IA “é uma ferramenta que pode ser usada positivamente, para obter informações e insights”.

Ele continuou: “Ao mesmo tempo, tem potencial para violações e manipulação de privacidade”.

Bradley continuou dizendo que a IA traz à tona dezenas de novas questões “legais e éticas”.

“Nas mãos erradas, a IA pode tirar as liberdades e minar a comunidade e a dignidade humana”.

Ele acrescentou: “É importante lembrar que precisamos mais de transformação do que de informação”.

O amor é “mais importante” do que o conhecimento, afirmou.

“A graça de Jesus muda nossos corações; um relacionamento com Deus preenche nossas almas. Se buscarmos a Deus, ele nos dará sabedoria em todas as situações”, disse ele.

Relacionamento humano

Bradley declarou ainda que precisamos priorizar e “valorizar muito” o relacionamento humano.

“A IA precisa ser usada de maneira que honre a Deus e seja benevolente”, enfatizou. “Nosso tempo de tela está aumentando, mas o que realmente precisamos é uns dos outros, junto com a unidade e a cura em nossa nação”.

“No final, mesmo que a inteligência humana seja superada pela IA, isso não tornará a IA humana.”

Precisamos nos concentrar em “servir, amar, encorajar e orar” uns pelos outros, disse ele.

“Amizades autênticas e comunidade genuína são um dom de Deus e precisam ser guardadas e priorizadas.”

Outro líder religioso disse que uma “pergunta fundamental” que está sendo feita hoje é “o que exatamente” significa ser humano.

“Essa questão é especialmente prevalente em uma era de tecnologias avançadas como a IA”, disse Jason Thacker à Fox News Digital por e-mail. Ele é presidente de pesquisa em ética tecnológica e diretor do instituto de pesquisa da Comissão de Ética e Liberdade Religiosa da Convenção Batista do Sul.

Thacker, que está baseado em Louisville, Kentucky, observou: “A humanidade é fundamentalmente diferente da IA, pois somos alguém contra alguma coisa”.

Ele continuou: “Em sua essência, o testemunho cristão e o Evangelho não são sobre transferência de informações ou simplesmente adquirir mais conhecimento, mas sim um encontro pessoal com o Deus vivo sendo compartilhado com outros portadores da imagem”.

Ele acrescentou: “Assim, embora uma IA possa apresentar informações ou realizar tarefas complexas semelhantes às humanas, ela não pode realmente testemunhar ou mesmo pregar, pois não é capaz de experimentar a verdadeira graça ou a redenção do pecado que está no núcleo da mensagem do Evangelho”.

Proclamar o Evangelho

Outro líder religioso opinou que a IA pode ser capaz de “produzir e espalhar mensagens bíblicas, doutrinárias e evangelísticas”, mas proclamar o Evangelho requer a “presença física” do povo de Deus no mundo.

“Os cristãos proclamam o Evangelho por meio de nossa existência corpórea.”

“Se considerarmos apenas a produção e disseminação verbal ou escrita, parece provável que a IA seja capaz de proclamar o Evangelho”, disse o Dr. James Spencer, presidente do DL Moody Center, localizado em Northfield, Massachusetts, à Fox News Digital por e- mail.

“Dito isso”, continuou ele, “proclamar o Evangelho requer a presença da igreja no mundo. Assim como Cristo deu a conhecer o Pai por meio da encarnação, também os cristãos proclamam o Evangelho por meio de nossa existência corpórea.”

Ele também disse: “AI nunca será capaz de substituir a igreja como um povo reunido para demonstrar a multiforme sabedoria de Deus (Ef 3:10), porque demonstrar a sabedoria de Deus não é uma questão de função ou potencial, mas de substância e ser. “

“A realidade da existência da igreja aponta para a realidade de Cristo”, afirmou.

Se a IA pode proclamar o Evangelho, disse o Dr. Spencer, leva a uma segunda pergunta: “A IA pode aprender o Evangelho?”

Ele continuou: “Aprender o Evangelho não é simplesmente uma questão de dominar uma ideia intelectual por meio de codificação sofisticada ou interações com grandes conjuntos de dados. O Evangelho é aprendido por meio de uma existência corporificada imersa na realidade da presença ativa de Deus”.

Ele também disse: “É aprendido quando o povo de Deus o prova por meio da obediência. É aprendido por meio do Espírito Santo que habita naqueles que creem.”

A IA pode ser capaz de proclamar as palavras do Evangelho, disse o Dr. Spencer – mas não pode “aprender o Evangelho como os humanos podem”.

E concluiu: “No final, mesmo que a inteligência humana seja superada pela IA, isso não tornará a IA humana. Não será humana porque a essência do que significa ser humano não é uma questão de capacidades, mas de ser e, em particular, ser feito à imagem de Deus”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA FOX NEWS

RETIRO IP SEMEAR 2023

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here