A Vida da Missionária Elizabeth Wiggins Simonton

0
124

Elizabeth Wiggins Simonton
Primeira missionária presbiteriana no Brasil

Elizabeth W. Simonton pertenceu à terceira geração de uma família de escoceses-irlandeses emigrados para os Estados Unidos. Seu avô, William Simonton, nascera por volta de 1755 em County Antrim, na Irlanda do Norte. Ficando órfão, foi para os Estados Unidos com cerca de dez anos, mediante o auxílio de um tio, o Rev. John Simonton, pastor da Igreja Presbiteriana de Great Valley, no Condado de Chester, na Pensilvânia. William tornou-se médico e casou-se com Jane Wiggins em 17 de novembro de 1777, sendo a cerimônia oficiada pelo seu tio. Em 1784, adquiriu a propriedade denominada ―Antigua‖, em West Hanover. Teve oito filhos, cinco homens e três mulheres, e faleceu em 24 de abril de 1800.Sua esposa faleceu em 1824.

Seu terceiro filho, também chamado William Simonton (1788-1846), foi o pai de Elizabeth e do Rev. Ashbel Green Simonton. Ele cursou a Universidade da Pensilvânia, formando-se em medicina em 1809. Em 1815, casou-se com Martha Snodgrass (1791-1862), filha do Rev. James Snodgrass, pastor da Igreja de Hanover, e professou a fé na Igreja Presbiteriana de Derry no dia 8 de junho de 1817. A fazenda Antigua foi dividida igualmente entre ele e o irmão John, que faleceu em 1824. O casal Simonton teve onze filhos, nove dos quais chegaram à idade adulta: Martha Jamison (1816), Jane (1818), William (1820), Elizabeth Wiggins (1822), Anna Mary (1824), John Wiggins (1826), James Snodgrass (1829), Thomas Davis (1831) e Ashbel Green (1833).

Elizabeth nasceu no dia 4 de setembro de 1822 em West Hanover, Condado de Dauphin, na Pensilvânia. Era, portanto, uma irmã mais velha do futuro Rev. Ashbel Green Simonton, o missionário fundador da Igreja Presbiteriana do Brasil, e a quarta filha de William Simonton e Martha Snodgrass Simonton. Elizabeth estudou no Seminário Feminino de Newark, em Delaware, onde teve marcante experiência de conversão durante um avivamento. Filiou-se à Igreja Presbiteriana de Derry, na Pensilvânia, no dia 15 de maio de 1842. Tinha o apelido familiar de Lille.

Pouco antes de vir para o Brasil, o Rev. Simonton visitou o Western Theological Seminary, em Allegheny, oeste da Pensilvânia, para conhecer o Rev. Alexander Latimer Blackford, que acabara de ser ordenado e também fora aceito como missionário para o Brasil. Nessa
ocasião, provavelmente surgiu um convite para que Blackford visitasse a família Simonton em Harrisburg, no mesmo estado, onde a mesma agora residia, e foi assim que ele conheceu Elizabeth. Casaram-se no dia 8 de março de 1860. Depois de uma tumultuada e perigosa viagem marítima de três meses, o casal chegou ao Rio de Janeiro em 25 de julho de 1860.

Após um período inicial no Rio de Janeiro, o casal Blackford mudou-se para São Paulo em outubro de 1863, dando início à obra presbiteriana na capital paulista. Em maio do ano seguinte, receberam a visita do sacerdote José Manoel da Conceição, que retribuía uma visita que Blackford lhe havia feito. Conceição deixou um belo testemunho acerca de Elizabeth: ―Sua muito nobre senhora, Mme. Blackford, cuja alma é o santuário do Espírito de Deus, a primeira palavra que me dirigiu foi um convite para comungar na sua igreja. A surpresa embaraçou-me por um momento… Três grandes nomes, que farão eternamente o objeto de minha gratidão, são inseparáveis da minha conversão e entrada na família cristã. Estes nomes são A. L. Blackford, sua muito nobre senhora e A. G. Simonton. Eis os dignos instrumentos de que quis Deus servir-se para me fazer cristão‖.

A residência do casal Blackford na Rua Nova de São José, nº 1 (atual Rua Líbero Badaró), próximo ao Largo de São Bento, foi o berço do presbiterianismo paulista. Ali se reuniu a  igreja por muitos anos; ali Elizabeth criou a pequenina Helen Simonton, após o falecimento da sua cunhada; ali faleceu o seu irmão, o pioneiro Ashbel G. Simonton, em 9 de dezembro de 1867. Pouco antes do desenlace, Elizabeth aproveitou um dos últimos momentos de lucidez de Ashbel e perguntou-lhe se tinha recados para os amigos do Estados Unidos, para a Junta de Missões e para a Igreja do Rio. Ao ver a sua irmã tomada de emoção, Simonton afirmou: ―Devemos apenas nos recostar nos Braços Eternos e estar sossegados‖.

Com a morte de Simonton, o casal Blackford voltou para o Rio de Janeiro e esteve por vários anos à frente da igreja local. Em fevereiro de 1870, a revista The Foreign Missionary publicou um interessante relato de Elizabeth acerca da escola dominical da Igreja do Rio.
Ela foi uma grande entusiasta da obra missionária no Brasil. Possuía uma mente ágil e observadora e tinha facilidade de relacionar-se com todos os tipos de pessoas, usando essa habilidade com fins evangelísticos. Acometida por uma enfermidade nervosa nos últimos
anos de sua vida, sofreu com o clima do Brasil. Foi algumas vezes aos Estados Unidos em busca de tratamento, uma vez sem o marido, mas logo que sentia algum alívio regressava ao campo missionário, por causa do desejo que tinha de viver e trabalhar no Brasil com o seu esposo e do seu grande amor por este país. Viajou pela última vez à pátria no dia 25 de abril de 1878, a bordo do navio Mississippi, levando consigo a pequena Helen Simonton.

Elizabeth Simonton Blackford faleceu no dia 23 de março de 1879, após quase vinte anos dedicados à obra missionária no Brasil. O casal achava-se de passagem por São Paulo quando Elizabeth foi acometida de uma febre tifóide. Para ter os melhores cuidados disponíveis, foi levada para a residência de um médico americano em Campinas (Dr. James M. Gaston?). Apesar da assistência recebida e do carinho do esposo, ela veio a falecer. Seu
corpo foi levado para São Paulo e sepultado ao lado do de seu irmão no Cemitério dos Protestantes, conforme o desejo que manifestara muitas vezes. O Rev. John B. Kolb deu um dos mais significativos testemunhos sobre Elizabeth ao afirmar que ela ―amava com toda a
ternura do seu coração o povo brasileiro, chamando-o ‗o meu povo‘.‖ No túmulo da dedicada missionária estão as palavras de 2 Timóteo 1.12: ―I know whom I have believed‖ (Eu sei em quem tenho crido).

Bibliografia:
 Lessa, Annaes, 175.
 Ferreira, História da IPB, I:84.
 O Diário de Simonton, 142s.
 William Simonton. Family History, Genealogical, Historical and Biographical of the
Simonton and Related Families. Saint Paul: Webb Publishing Company, 1900.
 Modesto Carvalhosa, ―Exmª Srª Elisabeth Blackford‖, Imprensa Evangélica (17-04-
1879), 124.
 George Norcross, The Centennial Memorial of the Presbytery of Carlisle (Harrisburg:
Meyers, 1889), Vol. II, 453-54.
 Álvaro Reis, Almanack Histórico do O Puritano, 40s.
 Vicente T. Lessa, Padre José Manoel da Conceição, 2ª ed. (São Paulo: Estabelecimento
Gráfico Cruzeiro do Sul, 1935), 21.
 Ribeiro, Protestantismo e Cultura Brasileira, 270s

Autor: Alderi de S. Matos

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here