A Vida de Fanny Crosby, mesmo cega escreveu mais de 8.000 hinos e canções cristãs

0
121

Suas canções acessíveis revolucionaram a música cristã, abrindo o caminho para canções mais simples e suaves.

Fanny Crosby foi introduzida postumamente no Gospel Music Hall of Fame. (Foto: Reprodução / Pinterest)
Fanny Crosby foi introduzida postumamente no Gospel Music Hall of Fame. (Foto: Reprodução / Pinterest)

Fanny Crosby, apelido de Frances Jane Crosby, nasceu em 24 de março de 1820, em Southeast, uma zona rural do estado de Nova York (EUA). Com 6 semanas de vida, Crosby perdeu a visão devido a uma infecção no olho e por ignorância médica. Mesmo assim, ela cresceu uma criança ativa e feliz.

Ser cego em uma época com pouca preocupação com esse tipo de deficiência, sem apoio de cães-guia e livros em Braille, era difícil. Mesmo assim, Fanny foi criada em uma família determinada a dar-lhe a melhor educação possível e lia passagens da Bíblia. Fanny desde cedo assumiu o compromisso de seguir a Cristo e desenvolveu uma memória notável, aprendendo de cor livros inteiros da Bíblia.

De 1835 a 1843, ela frequentou a Instituição de Cegos na cidade de Nova York. Lá, aos quinze anos, ela deu início à sua educação formal, onde esteve por vinte e três anos: doze como estudante e onze como professora.

Ela desenvolveu seu canto e aprendeu a tocar uma variedade de instrumentos. O Instituto também a incentivou a progredir com seu dom de compor poesia. Oradora competente, Fanny fez campanha por uma melhor educação para os cegos e, como parte disso, se tornou a primeira mulher a falar no Senado dos Estados Unidos.

Sua inclinação para versificar foi encorajada por um frenologista escocês visitante, que a examinou e a declarou poetisa. Ela contribuiu com um elogio poético ao presidente William Henry Harrison para o New York Herald em 1841 e posteriormente publicou versos em outros jornais.

Em 1844 ela publicou seu primeiro volume, The Blind Girl and Other Poems, e em 1851 seu segundo, Monterey and Other Poems.

Fanny sempre expressou sua fé em poemas e canções e ela se tornou cada vez mais procurada como escritora de letras cristãs. Apesar de sua crescente reputação como palestrante e pregadora de conferências, ela permaneceu profundamente envolvida com sua igreja. Ignorando sua cegueira e o fato de ter menos de um metro e meio de altura, Fanny se envolveu no trabalho social cristão entre os pobres de Nova York e até atuou como enfermeira durante a devastadora epidemia de cólera de 1849.

Hinos e canções

A partir de 1851, Fanny começou a escrever versos para serem musicados. Com George F. Root, instrutor de música da escola, Crosby escreveu uma cantata de sucesso, The Flower Queen. Ela também escreveu letras para várias músicas, algumas das quais, como “Hazel Dell”, “There’s Music in the Air” e “Rosalie, the Prairie Flower”, eram amplamente populares.

Após sua formatura, Fanny permaneceu no New York Institution for the Blind como professora de gramática inglesa e retórica e de história antiga até 1858. Naquele ano, ela se casou com o organista de igreja Alexander Van Alstyne, também cego, ex-aluno e depois professor. Eles tiveram uma filha que morreu logo após o nascimento: um evento que pode ter motivado o famoso hino “Seguro nos braços de Jesus”.

Mais tarde, Fanny publicou seu terceiro volume, A Wreath of Columbia’s Flowers.

Ela conseguia trabalhar em uma velocidade incrível, às vezes criando sete músicas por dia. Por trinta anos ela escreveu canções para Ira Sankey, a cantora que acompanhou o evangelista D.L. Moody em suas notáveis ​​campanhas evangelísticas, e muitas pessoas tomaram decisões por Cristo enquanto suas palavras eram cantadas. Muitos dos hinos de Fanny ainda são cantados na igreja hoje.

Por volta de 1864, Fanny começou a escrever hinos. Como sua poesia, seus hinos geralmente sofrem de clichê e sentimentalismo, mas também exibem um brilho ocasional de talento além do comum. Ao todo, Fanny escreveu entre 5.500 e 9.000 hinos, a contagem exata obscurecida pelos numerosos pseudônimos (até 200, de acordo com algumas fontes) que ela empregou para preservar sua modéstia.

Os mais conhecidos de seus hinos incluem “Seguro nos braços de Jesus”, “Resgate os que perecem”, “Bendita garantia”, “O brilhante para sempre”, “Salvador, mais do que vida para mim” e “Não me deixes, ó Gentil Salvador”.

Eles eram especialmente populares na Igreja Metodista, que por um tempo celebrou um “Dia de Fanny Crosby” anual.

Em 1897, ela publicou um volume final de poesia, Bells at Evening and Other Verses, e mais tarde escreveu dois volumes de autobiografia, Fanny Crosby’s Life-Story (1903) e Memories of Eighty Years (1906).

Reconhecimento

A teologia de Fanny era simples e centrada em Cristo. Suas canções acessíveis revolucionaram a música cristã, abrindo o caminho para canções mais simples e suaves e, portanto, em última análise, para “música gospel” e canções de adoração modernas. Em 1975, ela foi introduzida postumamente no Gospel Music Hall of Fame.

A sua cegueira faz com que todas as fotografias existentes a mostrem com óculos escuros e deem a impressão de uma mulher solene, formal e muito severa. A realidade era muito diferente: Fanny era uma pessoa exuberante, calorosa e alegre.

Fanny morreu em 12 de fevereiro de 1915, em Bridgeport, Connecticut, com a idade de 94 anos.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA CHRISTIANITY TODAY E BRITANNICA

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here