Antissemitismo: Câmara dos EUA aprova lei que define discriminação contra judeus

0
131

Câmara dos Representantes. (Foto: Britannica)

Projeto foi apresentado em meio à onda de protestos anti-Israel em universidades americanas.

A Câmara dos Representantes dos EUA aprovou nesta quarta-feira (1) um projeto de lei que amplia a definição de antissemitismo, que é a discriminação contra judeus.

A votação ocorreu após protestos pró-palestinos em universidades em todo o país, devido ao conflito entre Israel e o Hamas.

Os defensores da legislação afirmam que a lei auxiliará no combate ao antissemitismo nas universidades.

O projeto recebeu 320 votos a favor e 91 contrários. Entre eles, 70 democratas e 21 republicanos votaram contra a lei.

A lei estipula que o Departamento de Educação deve usar leis federais antidiscriminação como referência para possíveis punições. Atualmente, o Departamento baseia-se na definição de antissemitismo apresentada pela Aliança Internacional pela Lembrança do Holocausto.

Antijudaicos

O pastor Michael Brown, apresentador do programa de rádio The Line of Fire, diz que os protestos em universidades nos EUA que acontecem desde o dia 18 de abri, “não são simplesmente protestos pró-Palestina e anti-Israel. São protestos pró-Hamas e antijudaicos.”

“Esses estudantes [significando, na Universidade de Columbia], em sua maioria, não necessariamente veem isso como um recomeço do BLM, mas é isso que é, e é isso que forças políticas muito mais poderosas do que os estudantes estão determinadas a transformar”, afirmou.

E continuou: “Essas forças enxergam uma oportunidade que realmente tem muito pouco a ver com Israel ou Gaza. E se tiverem sucesso, haverá muita violência e perturbação este ano que se estende muito além da Columbia e de Morningside Heights.”

Protestos nas universidades

Mais de 1.000 pessoas foram presas em protestos em universidades nos EUA, em 25 campi em pelo menos 21 estados, desde o dia 18 de abril.

Em Nova York, na Universidade de Columbia, estudantes montaram acampamento e posteriormente invadiram o Hamilton Hall. Eles barricaram e trancaram as portas de entrada. A intervenção da polícia resultou na prisão de dezenas de pessoas, obrigando os alunos a deixarem o local.

A ação ocorreu após o Departamento de Polícia de Nova York receber uma carta da Universidade de Columbia autorizando sua entrada no campus, conforme informado por uma fonte policial à CNN.

No geral, estudantes pedem que as universidades cortem relações com empresas ligadas à Israel. As especificidades das exigências de desinvestimento dos manifestantes estudantis variam em âmbito de escola para escola.

A coligação em Columbia quer que a universidade retire US$ 13,6 bilhões de investimento de qualquer empresa ligada a Israel ou de empresas que estejam lucrando com a guerra Israel-Hamas. Os líderes dos protestos mencionaram a venda de ações de grandes empresas em discursos.

Com a intensificação da violência e também o risco de expulsão, parte dos alunos também pede a assistia após o fim dos protestos.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA CNN BRASIL

RETIRO IP SEMEAR 2023

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here