Aumentam ataques a igrejas na França, Reino Unido e Alemanha: “Morte aos cristãos”

0
696

Centenas de ataques a cemitérios, igrejas e outras propriedades foram relatados e ações criminosas crescem no continente.

Igreja Assembleia de Deus em Anguleme, França, depois de ser vandalizada, em março de 2019. (Foto: Reprodução/Charante Libre)
Igreja Assembleia de Deus em Anguleme, França, depois de ser vandalizada, em março de 2019. (Foto: Reprodução/Charante Libre)

Durante o verão europeu foram relatados vários ataques a cemitérios, edifícios e propriedades de igrejas em ações criminosas que chamam a atenção pelo aumento, o que levou o jornal cristão Finish Uusi Tie a investigar os motivos que levam as pessoas a essas ações.

No mês passado, o Belfast Telegraph e a BBC relataram um ataque a uma igreja que ocorreu na cidade de Ballyclare, na Irlanda do Norte. A parede externa da igreja presbiteriana havia sido rasgada e a estrutura de madeira incendiada.

No Natal passado, as janelas foram quebradas nesta mesma igreja. O pastor presbiteriano Noel Hughes disse à mídia que ele não quer que os jovens se metam em problemas e entrem em atos criminosos, e que os ataques às igrejas precisam acabar.

Todos os onze distritos policiais da Irlanda do Norte registraram 445 crimes cometidos em edifícios de igrejas, cemitérios e outras propriedades da igreja entre 2016 e 2018.

Esses crimes incluem incêndio criminoso, assaltos e vandalização de propriedades de diferentes maneiras. Em uma igreja, o órgão havia sido destruído e em outra, as pessoas haviam urinado e defecado dentro da igreja.

Esses ataques foram realizados contra diferentes denominações. O maior número de crimes na Irlanda do Norte ocorreu em Belfast. Nos últimos dez anos, na cidade de Belfast, a sinagoga local e o Centro Islâmico de Belfast também foram alvo de vandalismo.

Portas da igreja em incendiada

O jornal britânico The Guardian, noticiou em junho os ataques a igrejas no Reino Unido. Por exemplo, no leste de Londres, Stratford, as portas de quatro igrejas foram incendiadas. Esculpido nas paredes dessas igrejas havia símbolos satânicos, como pentagramas, 666 ou a palavra “Inferno”. Uma das igrejas foi incendiada.

“Assumimos que aqueles que praticam essas ações estão zangados com a igreja, ou por algum motivo, direcionam sua raiva para o cristianismo e outras religiões”. O site de notícias católico Cruxnow informou em maio que houve vários ataques na Alemanha. Isso também aconteceu em outros países europeus, como França, Itália, Áustria e Polônia.

Violência contra cristãos

O Observatório de Intolerância e Discriminação de Cristãos na Europa (OIDAC) coleta dados sobre os crimes cometidos contra cristãos e igrejas cristãs e propriedades de igrejas na Europa.

A forma mais grave e alarmante de perturbação é a violência cometida contra as pessoas. Os relatórios do OIDAC revelam que as ameaças nas instalações da igreja se tornaram muito comuns.

A mais recente investigação policial na Alemanha foi sobre uma série de roubos em igrejas católicas em diferentes locais, de meados de abril até o final de maio, em Freiburg. Houve também uma tentativa de incêndio criminoso em uma igreja na cidade de Neuenburg.

Uma reunião memorial sobre o genocídio do povo armênio teve que ser cancelada nas cidades de Stuttgart e Frankfurt, porque as igrejas eram ameaçadas por ataques terroristas se realizassem essas reuniões.

Na França, a taxa de crescimento de ataques às igrejas tem sido alarmante há alguns anos e ficou provado que as raízes desses crimes vêm dos muçulmanos.

Segundo as estatísticas da OICAD, na Espanha, os ataques a edifícios católicos cresceram 20% durante 2017-2018. Apenas um ataque foi realizado em uma igreja evangélica, onde os vândalos escreveram: “Aniquile o povo cristão da face da terra”.

Durante o mesmo período, as muralhas de cinco mesquitas na Espanha foram vandalizadas. Segundo a OICAD, a liberdade de religião na Europa está sendo ameaçada porque aqueles que confessam sua fé estão ameaçados e seus prédios sagrados foram vandalizados ou destruídos completamente.

O que leva as pessoas a atacar igrejas

Parece que os motivos por trás dos ataques e vandalismo na Igreja na Europa são variados. Às vezes, esses ataques são realizados por jovens antissociais. Isso parece óbvio, especialmente na Irlanda do Norte.

Em julho, a Evangelical Focus informou que em Genebra, o Memorial da Reforma havia sido pintado com spray nas cores do arco-íris. Parece que visões de mundo seculares e anticristãs estão levando as pessoas a cometer esses crimes.

Uusi Tie entrou em contato com o Secretário do Comitê de Direitos Humanos da Pentecostal World Fellowship em Calgary, onde Lehtonen havia participado na semana passada da Conferência Mundial da Pentecostal Fellowship.

“Muitos dos muçulmanos que vieram para a Europa nos últimos anos desistiram do Islã e se voltaram para o cristianismo. A sociedade islâmica vê isso como um pecado imperdoável. O ódio e o desejo de se vingar podem ser canalizados para aquelas pessoas que os muçulmanos acham que converteram seus amigos ou parentes”, diz Lehtonen.

Ele vive na Suécia há décadas e acredita que também nos países nórdicos, os gerentes das instalações da igreja devem receber treinamento básico em segurança. Especialmente se a igreja estiver envolvida no trabalho missionário entre os imigrantes ou em áreas onde há um grande número de muçulmanos.

Lehtonen explica que “na cidade de Estocolmo, há áreas em que os líderes muçulmanos monitoram como as mulheres se vestem. Eles também tentam limitar as atividades de outros grupos religiosos nessas áreas, mesmo que a constituição da Suécia não lhes dê esse direito”.

“Devido aos imigrantes provenientes de áreas de agitação no Oriente Médio, os atos de violência também podem crescer em nossas áreas. O futuro a esse respeito parece muito desanimador”, ressalta Lehtonen.

Ele também pede a responsabilidade do povo cristão, que “não conseguiu espalhar o Evangelho do amor tão amplamente quanto necessário. Muitos muçulmanos não sabem que Jesus Cristo é o príncipe da paz e do amor”. “Se nos isolarmos dos muçulmanos, a imagem distorcida de nós poderá ficar ainda mais distorcida. Portanto, precisamos desesperadamente de mais trabalho missionário entre os muçulmanos na Europa”, conclui Lehtonen.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO EVANGELICAL FOCUS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here