Celebrando o Primeiro Culto Protestante no Brasil 10.03.1557 e a Confissão de Fé da Guanabara

0
389

O dia 10 de março marca o dia do primeiro culto evangélico em solo brasileiro (1557). Ele aconteceu com os refugiados huguenotes, que buscavam um lugar no qual tivessem liberdade religiosa de cultuar biblicamente, segundo a teologia redespertada pelo Reforma do Século 16, o soberano Senhor, bem como proclamar a salvação na pessoa de Jesus Cristo.

Foram esses mesmos cristãos corajosos que nos legaram  a Confissão de Fé da Guanabara. Este documento suscita sempre curiosidade evárias perguntas. A primeira surpresa é quanto à sua antiguidade e a verificação de que essa Confissão antecede as nossas mais famosas confissões reformadas históricas, pois foi lavrada no ano 1558.

O outro ponto de curiosidade, é que ela joga luz em um período pouco conhecido de nossa história. Quando eu era criança e, depois, adolescente (faz muito tempo…), estudei bastante sobre o que os nossos livros chamam (ou chamavam) de “Invasão Francesa”. Pouco se falava que em vez de “Invasão” tínhamos um grupo escorraçado, perseguido e atribulado de cristãos reformados franceses, os “huguenotes”, que haviam sido expulsos de sua terra natal pela fé que professavam e ansiavam por um local no qual pudessem gozar da liberdade de cultuar. Em vez de um exército infernal de franceses, esse grupo militarmente mal articulado, era liderado pelo inescrupuloso aventureiro e mercenário Nicolas (ou Nicolau) Durand de Villeigagnon. Simulando uma “conversão” ele procurou organizar a expedição de huguenotes franceses ao Novo Mundo, no que seria a “França Antártica”.

O grupo extremamente misto – no final contava com católicos, huguenotes e vários malfeitores presos “recrutados” para completar o número almejado para a expedição – começou com 600 homens e chegou ao Brasil, após uma sucessão de eventos, com 88, em agosto de 1555.

Nos três anos seguintes, outras expedições vieram, principalmente enviadas por Calvino que atendia aos pedidos de Villegaignon. Ficaram, basicamente, aportados em uma ilha na costa do Rio de Janeiro, na Baía de Guanabara, onde foi construído o Forte Coligny. Assim esse primeiro culto evangélico no solo brasileiro aconteceu com esses huguenotes. Antes de serem confrontados pelos portugueses, em 1560, experimentaram muitos incidentes de trabalho forçado, fugas, escaramuças com os índios (e algumas alianças) e inúmeros conflitos internos.

Nesse meio tempo, Villeigaignon ia mostrando o seu real caráter e ia retornando às práticas católicas. Os huguenotes terminaram separando-se dele. Uma grande parte retornou, em 1558, em um navio francês, mas alguns que ficaram foram hostilizados por Villeigaignon. Receberam várias perguntas, às quais deveriam responder, com questões relacionadas com a sua fé e práticas litúrgicas.

A Confissão de Fé da Guanabara representa essas respostas. Ela não é, portanto, um tratado completo e sistemático de teologia, mas é específica e direcionada às questões da época. Obviamente, no que diz respeito à fé e à salvação, expressa princípios bíblicos e eternos. Foi redigida por Jean Du Bourdel, por ser o mais letrado dentre eles. Villeigagnon, irado porque os subscritores se recusavam a abjurar a Confissão, mandou matar três homens. São os chamados “mártires da Guanabara”.

A história detalhada desse período, com todos os seus componentes eclesiásticos, que geralmente ficam de fora, bem como com o texto completo da Confissão de Fé da Guanabara, em português, pode ser visto no excelente artigo do Franklin Ferreira (FIDES – A Presença dos Reformados Franceses no Brasil Colonial), que poder ser acessado no site do Felipe Sabino – www.monergismo.comclicando aqui.

Solano Portela, celebrando 10.03.1557

Solano Portela

Postado por Solano Portela.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here