Cristãos crescem no Irã em meio à forte perseguição e torturas, diz relatório

0
391

Mulher é batizada no Irã. (Foto: Elam Ministries)

O relatório ‘Vítimas sem rosto’ detalha a perseguição sofrida pelos cristãos no regime iraniano.

Uma descoberta do relatório de 40 páginas do Artigo 18, intitulado “Vítimas sem rosto: violações de direitos contra cristãos no Irã”, afirma:

“No final de 2023, pelo menos 17 dos cristãos presos durante o verão receberam sentenças de prisão entre três meses e cinco anos, ou punições não privativas de liberdade, como multas, flagelação e, num caso, o serviço comunitário de cavar sepulturas.”

PUBLICIDADE

O relatório observou: “Apesar de um número comparável de cristãos presos em 2023 ao de anos anteriores – 166 prisões foram documentadas em 2023, em comparação com 134 em 2022 – menos nomes e rostos puderam ser divulgados”.

Presidente do Congresso de Líderes Cristãos, o pastor Johnnie Moore disse à Fox News Digital: “A política absolutamente insana do Departamento de Estado em relação à República Islâmica, que está causando estragos em todo o mundo, também tem consequências reais de vida ou morte para o povo no Irã”.

E afirmou: “Os mulás sentem atualmente que têm licença para matar quem quiserem e ninguém fará nada. Portanto, mais pessoas estão sendo capturadas e mortas e os líderes terroristas da República Islâmica anseiam particularmente pelo sangue de mulheres e cristãos.”

Perseguição a minorias

Segundo um porta-voz do Departamento de Estado, “a perseguição aos cristãos e outras minorias religiosas no Irão é antiga e bem documentada. Os EUA continuam condenando estas ações e usando todas as ferramentas à nossa disposição para lidar com tais violações flagrantes”.

E acrescentou: “O mais recente Relatório do Departamento sobre Liberdade Religiosa Internacional no Irã observa: ‘As autoridades continuaram prendendo, assediando e vigiando desproporcionalmente cristãos, especialmente evangélicos e outros convertidos do Islã, de acordo com ONGs cristãs'”.

Em resposta à Fox News Digital se o Departamento de Estado iria impor novas sanções de direitos humanos ao regime iraniano pela perseguição aos cristãos, o porta-voz disse:

“Embora o Departamento não preveja sanções, o Irã foi designado como um ‘País de Particular Preocupação’ e impôs Ações Presidenciais sob a Lei Internacional de Liberdade Religiosa por ter se envolvido ou tolerado violações particularmente graves da liberdade religiosa todos os anos desde 1999.”

Estado teocrático

O relatório do Artigo 18 documentou a violência brutal empregada pelo Estado teocrático do Irã contra os cristãos iranianos.

Ali Kazemian relatou que seus interrogadores “descobriram que eu tinha um implante de metal na perna esquerda devido a uma fratura histórica” e “por esse motivo, um dos agentes chutou minha perna esquerda várias vezes, e o interrogador disse: ‘Você está agora em uma cadeira elétrica’… Então eles me deram vários socos violentos.”

Ele disse que as forças de segurança o ameaçaram: “Vamos prejudicar sua esposa e seus filhos!… Vamos trazer sua esposa para a sala de interrogatório e deixá-la nua na frente de todos, para ver se você realmente consegue resistir e ficar quieto.”

O regime do Irã tem como alvo de sua perseguição todas as formas de cristianismo, incluindo os protestantes e a prisão de católicos.

Em meio à perseguição, milhares de iranianos muçulmanos têm se convertido ao cristianismo, como é o caso de Maral.

Nascida numa família muçulmana, ela era fascinada por Jesus desde a juventude. Mais tarde, ela entregou sua vida a Ele, mas por muitos anos não teve a oportunidade de ter comunhão com a igreja. Recentemente, Maral se batizou.

O Artigo 18, que publicou o relatório em colaboração com Open Doors, Christian Solidarity Worldwide e Middle East Concern, afirmou que pode haver até 800.000 cristãos no Irã.

O relatório apresenta esse número com base “uma pesquisa sobre as atitudes dos iranianos em relação à religião em 2020, conduzida por um grupo de pesquisa secular com sede na Holanda, revelou que 1,5% dos iranianos de uma amostra de 50.000 se identificaram como cristãos”.

Execução brutal

O relatório foi publicado em 19 de fevereiro para chamar a atenção para o 45º aniversário da execução brutal do pastor anglicano Arastoo Sayyah pelo regime iraniano em sua igreja em Shiraz, apenas oito dias após a Revolução Islâmica. Sayyah foi o primeiro cristão a ser assassinado pelo regime.

Sheina Vojoudi, uma cristã iraniana que fugiu da República Islâmica, disse à Fox News Digital: “O cristianismo no Irã é classificado como crime de segurança política. Apesar disso, mais e mais iranianos estão se convertendo ao cristianismo todos os dias. O cristianismo é considerado pela República Islâmica no Irã como uma religião ocidental e é visto como uma ameaça à República Islâmica.”

Vojoudi, que é membro associado do Gold Institute for International Strategy, com sede nos EUA, acrescentou: “A perseguição e a matança de cristãos começaram após a ocupação do Irã pelo regime islâmico, e desde então a República Islâmica assassinou pelo menos 15 pastores iranianos.”

De acordo com Vojoudi, o regime do Irã intensificou a perseguição à comunidade cristã em dificuldades após o movimento da Revolução Verde em 2009, que foi uma resposta à eleição fraudulenta amplamente documentada do ex-presidente Mahmoud Ahmadinejad.

“O regime no Irã aumentou as perseguições e prisões devido ao medo da sua queda e isso, claro, não exclui os cristãos no Irã”, disse Vojoudi.

“O regime queimou 300 Bíblias em persa e apreendeu 650 Bíblias e até hoje ter uma Bíblia em persa é um crime. A proibição de pregar em persa nas igrejas foi anunciada pelas organizações de inteligência.”

Igreja secreta

Vojoudi se converteu ao cristianismo e fugiu para a Alemanha devido à perseguição religiosa.

O relatório do Artigo 18 afirmou: “Os cristãos convertidos do Islã formam a maior comunidade cristã numericamente no Irã, mas não são reconhecidos pelo Estado e frequentemente são alvos das autoridades, e em alguns casos, de suas famílias ampliadas e da sociedade”.

“Eu costumava ir a uma igreja perto desta catedral em Teerã, é claro, secretamente. Esta igreja estava aberta ao público, mas esqueci em que dias, mas está extremamente sob a vigilância do regime”.

“A imagem do [aiatolá Ruhollah] Khomeini, o fundador do regime islâmico, sentado ao lado da igreja, significa que eles observam a todos e não têm respeito pelas outras religiões.”

Apostasia

O Artigo 18 escreveu: “Com os convertidos constituindo a maior – embora não reconhecida – comunidade cristã no Irã, a questão da ‘apostasia’ é uma preocupação central… um cristão convertido foi condenado à forca por apostasia em 2010, a acusação de apostasia e sentença de morte foram derrubados em resposta à pressão internacional, mas muitos convertidos foram desde então ameaçados com um destino semelhante após serem presos e durante interrogatórios.”

O destino terrível dos cristãos iranianos os obrigou a estabelecer igrejas domésticas como parte de um movimento clandestino.

Vojoudi disse que Ali Khamenei, o líder supremo do Irã, declarou num discurso a “importância de confrontar as igrejas domésticas e provocou os seus seguidores contra os cristãos, alegando que as igrejas domésticas são criadas pelos ‘inimigos do Islã’ e devem ser detidas”.

O Artigo 18 enumera uma série de exigências para a comunidade internacional, incluindo que as nações estrangeiras exortem o Irão “a garantir e facilitar a liberdade de religião ou crença para todos os seus cidadãos” e “destacar as infrações aos direitos humanos durante os diálogos bilaterais e multilaterais com o Irã”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ARTICLE 18 E FOX NEWS

RETIRO IP SEMEAR 2023
Artigo anteriorINSTITUTO BÍBLICO DE ITABUNA
Próximo artigoMoeda rara com o nome do sacerdote Eleazar é encontrada em Israel
Pastor Eli Vieira é casado com Maria Goretti e pai de Eli Neto. Responsável pelo site Agreste Presbiteriano, Bacharel em Teologia, Pós-Graduado em Missiologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, Recife-PE e cursando Psicologia na UNINASSAU. Exerce o seu ministério pastoral na Igreja Presbiteriana do Brasil desde o ano 1997 ajudando as pessoas a encontrarem esperança e salvação por meio de Jesus Cristo. Desde a sua infância serve ao Senhor, sendo educado por seus pais aos pés do Senhor Jesus que me libertou e salvou para sua honra e glória.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here