Cristãos presos no Irã são libertados por causa da pandemia

2
398

Grupos de defesa dos direitos humanos pedem a libertação de todos os presos políticos e religiosos já que as prisões são potencial foco do coronavírus.

Fatemeh (Mary) Mohammadi está sob fiança, enquanto Ramiel Bet-Tamraz foi libertado três semanas antes do previsto. (Foto: Reprodução/Iranwire)
Fatemeh (Mary) Mohammadi está sob fiança, enquanto Ramiel Bet-Tamraz foi libertado três semanas antes do previsto. (Foto: Reprodução/Iranwire)

Seis cristãos estão entre os mais de 54.000 prisioneiros libertados sob custódia no Irã na semana passada, como parte dos esforços para limitar a disseminação do coronavírus, informa o Artigo 18.

A instituição já noticiou a libertação antecipada do cristão assírio-iraniano Ramiel Bet-Tamraz e a libertação sob fiança da cristã Fatemeh (Mary) Mohammadi na quarta-feira da semana passada. Outro cristão convertido que não pode ser identificado também foi libertado naquele dia.

Outra entidade de defesa cristã, a Christian Solidarity Worldwide (CSW) comemorou a libertação de outros dois prisioneiros iranianos. O pastor Amin Khaki e Rokhsare Ghanbari foram libertados como parte da estratégia do governo iraniano de reduzir as taxas de infecção por Covid-19 na população carcerária.

O pastor Amin foi preso em 2017 e mais tarde foi acusado de “espalhar propaganda contra a República Islâmica do Irã”. Em março de 2019, ele foi condenado a 14 meses de prisão.

Amin Khaki e Rokhsareh (Mahrokh) Ghanbari foram concedidos 36 dias de licença da prisão (Foto: Reprodução/Iranwire)

Mahrokh Kanbari (Rokhsare Ghanbari) foi presa por agentes do Ministério da Inteligência em Em julho de 2019, e enfrentou acusações semelhantes. A cristã acabou condenada a um ano atrás das grades em julho de 2019.

A CSW acredita que Ghanbari foi alvo simplesmente porque frequentou uma igreja doméstica. O caso de Ghanbari chegou às manchetes em agosto do ano passado quando o vice-presidente dos EUA, Mike Pence ao Twitter para defender em seu nome, escrevendo: “Estou chocado ao ouvir relatos de que os governantes despóticos do Irã puniram mais uma mulher cristã por exercer sua liberdade de culto”.

Em resposta ao anúncio do regime iraniano, o presidente-executivo da CSW, Mervyn Thomas, disse: “Congratulamo-nos com a libertação desses dois cristãos inocentes, que foram presos simplesmente por adotar a fé de sua escolha. Seu direito a isso está consagrado no Pacto Internacional sobre Civil e Direitos políticos dos quais o Irã faz parte. Apelamos ao governo iraniano para que encerre a criminalização da conversão e libere imediatamente todos os prisioneiros de pensamento, consciência, religião e crença durante esta emergência de saúde pública.”

Grupos de defesa dos direitos humanos pedem a libertação de todos os presos políticos há semanas, observando que as prisões na China, onde o vírus surgiu pela primeira vez, se tornaram um foco da doença.

O Relator Especial da ONU sobre o Irã destacou em seu relatório mais recente que as prisões superlotadas do país são uma “fonte de infecções e problemas de saúde” e a “disseminação de doenças infecciosas e transmissíveis”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO IRANWIRE E PREMIER

2 COMENTÁRIOS

  1. I’d like to thank you for the efforts you’ve put in writing this website. I am hoping to view the same high-grade content by you in the future as well. In truth, your creative writing abilities has motivated me to get my very own blog now ;)|

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here