DAVI, UM JOVEM QUE FEZ DIFERENÇA

0
197

3º Domingo de maio Dia do Jovem Presbiteriano

1 Samuel 17.1-58

O escritor Charles R. Swindoll certa vez disse: “nosso mundo necessita desesperadamente de modelos dignos de serem seguidos. Heróis autênticos. Pessoas integras, cujas vidas nos inspirem a ser melhores”¹(1998, p.9).

Malala Yousafzai é uma jovem paquistanesa, já foram publicados livros, documentários e muito conteúdo na internet sobre Malala. Em muitos países, a educação é um direito básico para homens e mulheres, crianças e adultos. Mas no Paquistão, o Talibã proíbe as mulheres de estudar.

Isso fez com que a pequena Malala, na época com 11 anos de idade, começasse sua luta pelo direito à educação. Suas ações começaram a ganhar repercussão, e o Talibã começou a perseguir a menina até conseguir acertá-la com um tiro na cabeça e outro no pescoço. Ela sobreviveu e, depois disso, ganhou o prêmio Nobel da Paz, tudo isso na adolescência! E ela fez muita diferença: o Malala Fund hoje garante a educação de cerca de 130 milhões de meninas pelo mundo!4

O evangelista doutor Lucas ao falar sobre o Davi disse: “Porque na verdade, tendo Davi servido a sua própria geração, conforme os desígnios de Deus, adormeceu, foi para junto de seus pais e viu corrupção” (At. 13.36). Davi foi um jovem que fez diferença e marcou a sua geração conforme os propósitos divinos. Mas, devemos perguntar: porque Davi marcou a sua geração? No texto de 1 Samuel 17.1-58 podemos encontrar a resposta para a nossa indagação e aprendermos algumas lições.

1-PORQUE ELE NÃO TEMIA OS DESAFIOS (1 Samuel 17.32) – A vida de Davi foi marcada por lutas e desafios, desde a sua mocidade. Ainda jovem, como pastor de ovelhas enfrentou feras, tais como leão ou urso (1 Sm 17.34,35). Ao ser enviado, por seu pai, ao arraial do exército de Israel para levar alimentos e saber como seus irmãos estavam (1 Sm 17.17-19), o jovem Davi se deparou com uma cena inimaginável, o grande duelista filisteu desafiando o exército de Israel. Davi não teve medo do incircunciso Golias e dispõe-se a pelejar contra ele (1 Sm. 17.32). Ele não temeu o desafio, não olhou para o tamanho do guerreiro filisteu, mas estava pronto se possível a morrer, como disse o pastor Martin Luther King: “Se você não está pronto para morrer por alguma coisa, então você não está pronto para viver”, ele estava pronto a tirar a afronta de sobre Israel, o exército do Deus vivo (1 Sm.17.26), na certeza de que Deus lhe concederia a vitória independente do experiente gigante.

O Precursor da Reforma Protestante Jerônimo Savonarola (1452-1498) disse: “Se não houver inimigos, não há lutas, se não há lutas não a vitórias”. Jovens, irmãos, se queremos ser vitoriosos e marcar a nossa geração, precisamos enfrentar os desafios que surgem diante nós todos os dias, sem temor, assim como Davi. Não tema os desafios da vida, mas enfrente-os com coragem e fé, na certeza que Deus proverá.

2-PORQUE ELE NÃO DEU OUVIDOS A VOZ DOS CRÍTICOS E PESSIMISTAS (1 Samuel 17.28,33,42)-Quando o jovem Davi disse que iria enfrentar o gigante, ninguém o incentivou, antes ele foi criticado, desanimado, por seus irmãos e pelo rei Saul. Saul disse a Davi, que ele não poderia enfrentar Golias, porque ele era moço, e Golias guerreiro desde a sua mocidade (1 Sm 17.33), ele foi desprezado pelo gigante Golias (1 Sm 17.42). Contudo, Davi não deu ouvidos a voz dos críticos e pessimistas.

Quando olhamos para a vida do jovem Abraão Lincoln (1809-1865),  cheio de sonhos, antes de se tornar o presidente americano que decretou a emancipação dos escravos. Ele foi considerado um dos inspiradores da moderna democracia, tornou-se uma das maiores figuras da história americana. Elegeu-se Deputado por Illinois. Defendia a causa dos pobres e humildes. Formou-se em Direito. Elegeu-se Deputado Federal e incentivou a criação de novas industrias no Norte do país. Foi eleito o primeiro presidente pelo Partido Republicano, que ajudou a fundar. Foi o 16º presidente dos Estados Unidos. Enfrentou a Guerra da Secessão, por longo período de seu governo. Com a vitória do Norte, foi reeleito para presidente”. Parece que ele viveu em um tempo fácil, mas vejamos um pouco mais sobre a sua vida.

Abraham Lincoln (1809-1865) nasceu na cidade de Hardim no Kentucky, Estados Unidos. Filho dos camponeses Thomas Lincoln e Nancy Lincoln, quando pequeno viveu numa casa de madeira, a beira da floresta. Frequentou a escola durante um ano, quando em 1816 sua família mudou-se para Indiana. Com sete anos já trabalhava no campo. Ficou órfão aos nove anos de idade. Seu pai casa com Sarah Bush Johnston, que ficou responsável por sua instrução.

Abraham Lincoln teve vários empregos, foi lenhador, trabalhou numa serraria, foi barqueiro, balconista e Chefe dos Correios da Aldeia de Salem em Illinois. Como barqueiro, em 1831, navegava pelos rios Missisípi e Ohio, transportando mercadorias. Nas horas vagas se dedicava à leitura. Participou como Capitão voluntário, na luta contra os índios no sul do Estado. Foi chefe dos correios e trabalhou na demarcação de terras para o governo.

Em 1834 elegeu-se Deputado pela Assembleia de Illinois. Estudou Direito, formando-se em 1837. Trabalhou defendendo as causas dos pobres e humildes. Em 1842 casa-se com Mary Todd. Em 1846 elegeu-se Deputado Federal. Entre 1847 e 1849, foi representante de Illinois no Congresso, onde propôs a emancipação gradativa para os escravos, o que desagradou tanto aos abolicionistas quanto aos defensores da escravidão. Fez oposição a invasão de terras no México, mas no fim do conflito novas terras foram anexadas aos Estados Unidos. Sua posição o fez perder muitos votos. Lincoln fazia campanha para que essas novas terras ficassem livres da escravidão.

Concorreu para o senado, foi derrotado, afastou-se da política durante cinco anos. Seus discursos e debates em torno da escravidão os tornou conhecido e popular. Em 1854 participou da fundação do Partido Republicano.

Grandes transformações sociais ocorriam no país. Ao norte, desenvolvia-se uma rica e poderosa burguesia industrial e uma classe operaria organizada e numerosa, apoiada pelo Partido Republicano. Ao sul, consolidou-se a supremacia aristocrata rural, com grandes propriedades agrárias, apoiadas na monocultura e no trabalho escravo. A rivalidade política entre o Partido Democrata, dos aristocratas do sul, e o Partido Republicano da burguesia industrial do norte, gerava vários conflitos.

A guerra contra o México ampliara o território da União e não era possível prever se a população das novas terras se declararia a favor da escravidão. Instalou-se uma grande polêmica nacional. Lincoln assumiu atitude antiescravagista e transformou-se no paladino dessa tendência após o debate que travou com o senador democrata Stephen Douglas.

Em 1858, candidato ao Senado pelo novo Partido Republicano, perdeu as eleições para Douglas, mas tornou-se líder dos republicanos. Em 1860, disputou o pleito para a presidência da república e elegeu-se o 16º presidente dos Estados Unidos.

Ao iniciar seu governo, em 4 de março de 1861, Lincoln teve de enfrentar o separatismo de sete estados escravistas do sul, que formaram os Estados Confederados da América. O presidente foi firme e prudente: não reconheceu a secessão, ratificou a soberania nacional sobre os estados rebeldes e convidou-os à conciliação, assegurando-lhes que nunca partiria dele a iniciativa da guerra. Os confederados, porém, tomaram o forte Sumter, na Virgínia Ocidental.

Lincoln encontrou o governo sem recursos, sem exército e com uma opinião pública que lhe era favorável somente em reduzida escala. Com vontade férrea, profunda fé religiosa e confiança no povo, iniciou uma luta que primeiramente lhe foi adversa. Só conseguiu armar sete mil soldados, com os quais começou a guerra. Em apenas um ano, duplicou o Exército, organizou a Marinha e obteve recursos. Os confederados haviam consolidado sua situação, com a adesão de mais quatro estados aos sete sublevados. Em meados de 1863 chegaram à Pensilvânia e ameaçaram Washington. Foi nesse grave momento que se travou, em 3 de julho de 1863, a batalha de Gettysburg, vencida pelas forças do norte.

Lincoln, que decretara a emancipação dos escravos e tomara outras providências liberais, pronunciou, meses depois, ao inaugurar o cemitério nacional de Gettysburg, o célebre discurso em que definiu o significado democrático do governo do povo, pelo povo e para o povo, e que alcançou repercussão mundial.

A guerra continuou ainda por dois anos, favorável à União. Lincoln foi reeleito presidente em 1864. Em 9 de abril de 1865, os confederados renderam-se em Appomattox.

Embora considerado conservador ou reformista moderado no início da presidência, as últimas proposições de Lincoln foram avançadas. Preparava um programa de educação dos escravos libertados e chegou a sugerir que fosse concedido, de imediato, o direito de voto a uma parcela de ex-escravos. Inclinou-se também à exigência dos radicais por uma ocupação militar provisória de alguns estados sulistas, para implantar uma política de reestruturação agrária.

Em 14 de abril de 1865, Lincoln assistia a um espetáculo no Teatro Ford, em Washington, quando foi atingido na nuca por um tiro de pistola desferido por um escravista intransigente, o ex-ator John Wilkes Booth. Lincoln morreu na manhã do dia seguinte¹. Meus irmãos, jovens, assim como Davi, Lincoln enfrentou muitas críticas e os pessimistas e triunfou sobre todos. Ele não se deixou intimidar, ele não deu ouvidos a voz dos críticos e pessimistas, por isso marcou a sua geração e a história.

Meus irmãos, jovens, Deus está nos dando o privilégio de vivermos nesta geração, nesta atualidade desafiadora, sabemos que não é fácil, como não fora na época de Davi, de Lincoln, dos reformadores, mas confiados em Deus, não podemos nos intimidar diante dos críticos, pessimistas que tentam fazer com que você e eu possamos desanimar, desistir de lutar, mas se queremos fazer diferença e marcar esta geração, precisamos nos levantar e fazer a nossa parte na certeza de que o nosso trabalho não será em vão. Jovens, não podemos só ficar olhando para o passado, precisamos olhar para o nosso presente e perguntar: o que eu estou fazendo diferente para marcar a minha geração? Vamos começar fazendo coisas pequenas e Deus irá nos preparar para fazermos coisas grandes que ainda não sabemos.

3-PORQUE ELE LUTAVA EM NOME DO SENHOR DOS EXÉRCITOS (1 Samuel 17.37, 42)

O Jovem Davi decidiu lutar e enfrentar o gigante filisteu. É importante notarmos que Davi decidiu lutar, não em nome de Saul, de sua família, para ficar famoso, etc. Ele disse: eu vou contra ti em nome do Senhor dos Exércitos. O “nome” para os autores bíblicos, é mais que uma junção de letras, ele representa a própria essência da pessoa que o carrega.

Meus irmãos, o que Davi estava dizendo era: “SENHOR dos Exércitos” eu vou contra você Golias, firmado em Deus. O verdadeiro comandante supremo do seu povo escolhido, dos exércitos de Israel, o Deus todo poderoso, ontem, hoje e sempre. Ah! meu querido jovem, isto fez toda diferença na vida do guerreiro Davi e faz toda diferença ainda hoje. O jovem Davi não estava dizendo, eu não vou te enfrentar confiado em minhas experiências, nas minhas armas, no rei Saul, em minha família, em meus diplomas, mas eu vou lutar contra ti confiado naquele que nos dá a vitória, pois dele é a guerra, em nome do Deus Todo-poderoso, o rei dos reis, Senhor dos senhores .

 Muitos hoje estão vivendo desanimados, derrotados, sem expectativa porque foram derrotados e humilhados pelo inimigo. Perderam a batalha, porque confiaram em dinheiro, seus amigos, em seus títulos, em familiares, namorado(a)s, etc. Mas neste momento eu te convido a erguer a cabeça, e lutar em nome do Senhor.

O rei Josafá diante de uma confederação de inimigo, que se levantara contra Israel disse: “Ah! Senhor Deus, acaso, não executarás tu o teu julgamento contra eles? Porque em nós não há força para resistirmos a essa grande multidão que vem contra nós, e não sabemos nós o que fazer; porém os nossos olhos estão postos em ti”( 2 Cr. 20.12). Josafá confiou em Deus e o Senhor lhe deu a vitória, e assim os moradores daquelas terras viram quem era o Deus de Israel, como nos diz crônicas: “Veio da parte de Deus o terror sobre todos os reinos daquelas terras, quando ouviram que o Senhor havia pelejado contra os inimigos de Israel (2 Cr 20.29).

Jovem, irmão, em nome de quem você está enfrentando as dificuldades e os seus problemas hoje? Em nome de seus familiares, dos seus amigos, em nome do presidente, etc. Não, não, não!!! Levante-se, lute em nome do Senhor, ele não mudou, continua sendo o mesmo, tem em suas mãos o controle de tudo e de todas as coisas, só ele é quem pode nos dá a vitória sobre todos os gigantes que estão nos desafiando. O Senhor fala conosco através do profeta Isaías “Tu és o meu servo, eu te escolhi e não te rejeitei, não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel” (Isaías 41.9b,10).

4-PORQUE O SEU PROPÓSITO ERA A GLORIFICAR A DEUS (1 Samuel 17.46,47)-

O jovem Davi tinha um alvo que estava além da visão do exército de Saul, maior do que os seus compatriotas. Ele queria vencer o gigante filisteu para manifestar a glória de Deus, vede o que ele disse: “Hoje mesmo, o Senhor te entregará nas minhas mãos; ferir-te-ei, tirar-te-ei a cabeça e os cadáveres do arraial dos filisteus darei, hoje mesmo, às aves dos céus e às bestas-feras da terra; e toda a terra saberá que há Deus em Israel. Saberá toda esta multidão que o Senhor salva, não com espada, nem com lança; porque do Senhor é a guerra, e ele vos entregará nas nossas mãos” (1 Sm 17.46,47).

O propósito principal de Davi era engrandecer o nome do Senhor em toda a terra. Não era fazer o seu nome conhecido, nem da sua família, mas glorificar o nome do Deus de Israel. Saberá toda terra que há um Deus que salva. Davi lutou para a glória de Deus e derrotou  o  gigante Golias e Israel venceu os filisteus.

 Paulo ao escrever aos irmãos da igreja de Corinto nos ensina dizendo: “ Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus”. (1 Co.10.31). A pergunta de número um do Breve Catecismo de Westminster: Qual é o fim principal do homem? O fim principal do homem é glorificar a Deus e gozá-lo para sempre³.

Jovens a pergunta que devemos fazer é: O que estou fazendo glorifica a Deus? Estou lutando para glorificar o nome do meu Salvador? Como nós podemos viver para a glória de Deus? Vivendo de conformidade com a Palavra de Deus, que é a nossa única regra para nos dirigir na maneira de o glorificar e gozar (Lc 24.27,44; 2 Pe 3.2, 15,16; 2 Tm 3.15-17; Jo 15.10,11; Is 8.20 e Jo 20.30,31).  Se vivermos firmados na Palavra do Senhor, nós não vamos temer os gigantes que se levantam contra nós, tentando nos intimidar e nos derrotar. Nós vamos marca a nossa geração e o mundo, e todos verão quem realmente é o nosso Deus, pois com ele somos mais que vencedores.

Algumas pessoas hoje, ao olharem para os heróis da fé do passado, falam: acho que eu nasci na época errada! Porque eu não nasci na época dos reformadores, Martinho Lutero, Calvino e Knox? Porque eu não vivi, na época do Grande Avivamento do século XVIII e fui amigo Jonathan Edwards, George Whitefield? Se, você ficar atento poderá ouvir Deus lhe falar: porque os meus desígnios para você jovem são para esta geração, para hoje, se coloque nas mãos de Deus e lute para a glória dEle. O mundo está para ver o que Deus pode fazer com um jovem totalmente entregue nas mão de Deus e que luta para a glória dEle.

Meu amado jovem, Deus está nos dando um grande privilégio de vivermos nesta geração, não podemos nos intimidar diante dos desafios que se levantam contra nós nesses dias, dos críticos e pessimistas ou dos gigantes que estão sempre diante de nós, mas vamos enfrentar os gigantes em nome do Senhor Deus, ne certeza que o Deus de Davi também é o nosso Deus. O mesmo Deus que deu tão grande vitória a Davi é o mesmo que dá a vitória hoje sem nos deixar levar por aqueles que não conhecem a Deus. Vamos lutar em nome do Senhor e para a glória do Senhor.

Referência Bibliográficas

1- Swindoll, Charles R. Davi: um Homem segundo o Coração de Deus. – 1ª Ed.– São Paulo: Editora Mundo Cristão, 1998

2-Frazão, Dilva. Biografia de Abraham Lincoln, Disponível em https://www.ebiografia.com/abraham_lincoln/ acesso em 08.08.2017

3- Martins, Valter Graciliano (organizador)-O Breve Catecismo. 1ª Ed. Especial – São Paulo: Casa Editora Presbiteriana, 1991

4-https://www.yazigi.com.br/noticias/cultura/7-jovens-cidadaos-do-mundo-que-revolucionaram-a-historia

Sobre o autor Pr. Eli Vieira é formado pelo Seminário Presbiteriano do Norte e pastor efetivo da Igreja Presbiteriana Semear, Itabuna-BA.

Artigo anteriorPastor é condenado a sete anos de prisão em Cuba
Próximo artigoHEBRON, Uma Indústria Farmacêutica do Nordeste Brasileiro
Pastor Eli Vieira é casado com Maria Goretti e pai de Eli Neto. Responsável pelo site Agreste Presbiteriano, Bacharel em Teologia, Pós-Graduado em Missiologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, Recife-PE e cursando Psicologia na UNINASSAU. Exerce o seu ministério pastoral na Igreja Presbiteriana do Brasil desde o ano 1997 ajudando as pessoas a encontrarem esperança e salvação por meio de Jesus Cristo. Desde a sua infância serve ao Senhor, sendo educado por seus pais aos pés do Senhor Jesus que me libertou e salvou para sua honra e glória.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here