Governo propõe formação para uso de “linguagem neutra” no Plano Nacional de Cultura

0
254

Ministério divulgou lista com 30 propostas que devem fazer parte do novo Plano Nacional de Cultura. (Foto: Unsplash/Mercedes Mehling)

O Plano Nacional de Cultura estabelece metas para os próximos 10 anos.

O Ministério da Cultura anunciou uma lista contendo 30 propostas destinadas a integrar o novo Plano Nacional de Cultura. Se aprovado pelo Congresso, o plano estabelecerá as metas para o setor nos próximos dez anos.

Sob a liderança da ministra Margareth Menezes, a pasta está promovendo a criação de um programa que inclui a “formação para uso da linguagem neutra” por parte de estudantes, educadores e gestores.

Dentre as propostas estão mudanças em algumas palavras, como por exemplo, “todos” e “todas” seriam substituídas por “todes”, enquanto “menino” e “menina” seriam substituídas por “menine”.

O documento com as 30 propostas de políticas públicas, aprovadas como prioritárias durante a realização da 4ª Conferência Nacional de Cultura (4ª CNC), foi dividido por eixos temáticos.

O tema “linguagem neutra” está inserido no eixo 4 da proposta, intitulado “Diversidade cultural e transversalidades de gênero, raça e acessibilidade na política cultural”.

Página da proposta do Plano Nacional de Cultura. (Reprodução: Minc)

Após o envio do projeto para a Câmara dos Deputados pelo governo, a proposta será analisada pela Comissão de Educação, que é presidida por Nikolas Ferreira. Controlada por maioria conservadora, é improvável que o projeto avance no Congresso.

O novo Plano Nacional de Cultura propõe que os programas de educação e capacitação de professores sejam financiados pelos contribuintes.

A proposta destina uma parte do imposto de renda tanto de pessoas físicas quanto jurídicas para um fundo cujo objetivo é promover “a diversidade de linguagens, de segmentos e de expressões” e a “participação acessível, inclusiva e universal”.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA VEJA E MINISTÉRIO DA CULTURA

RETIRO IP SEMEAR 2023
Artigo anteriorQuatro igrejas são reabertas no Oriente Médio
Próximo artigoRECONHEÇA OS SEUS LIMITES
Pastor Eli Vieira é casado com Maria Goretti e pai de Eli Neto. Responsável pelo site Agreste Presbiteriano, Bacharel em Teologia, Pós-Graduado em Missiologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, Recife-PE e cursando Psicologia na UNINASSAU. Exerce o seu ministério pastoral na Igreja Presbiteriana do Brasil desde o ano 1997 ajudando as pessoas a encontrarem esperança e salvação por meio de Jesus Cristo. Desde a sua infância serve ao Senhor, sendo educado por seus pais aos pés do Senhor Jesus que me libertou e salvou para sua honra e glória.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here