Jornalista cristã que denunciou início da pandemia na China é condenada a 4 anos de prisão

0
102

A jornalista Zhang Zhan visitou Wuhan em fevereiro de 2020, no auge do surto de coronavírus, enquanto ele se tornava uma pandemia em todo o mundo. (Foto: Handout / Youtube / AFP)

No auge do surto na China em fevereiro, a jornalista chinesa de 37 anos viajou a Wuhan, para documentar como o vírus estava se espalhando.

Uma repórter cristã que via seu trabalho como a “vontade de Deus” foi condenada a quatro anos de prisão em Xangai, depois de documentar o surto de coronavírus na cidade chinesa de Wuhan (China), em fevereiro.

Zhang Zhan, de 37 anos, foi declarada culpada pelo Tribunal Popular da Nova Área de Pudong (Xangai) na manhã de segunda-feira (28), por “criar brigas e provocar problemas”, relata o South China Morning Post. A expressão é frequentemente usada para silenciar cidadãos chineses que se opoem ao Partido Comunista da China.PUBLICIDADE

“Zhang Zhan compareceu ao julgamento em uma cadeira de rodas e estava com a saúde debilitada”, disse o advogado Zhang Keke. “Ela não disse imediatamente se apelaria [contra a sentença]”.

No auge do surto na China em fevereiro, a jornalista chinesa de 37 anos e ex-advogada viajou de Xangai a Wuhan para testemunhar a gravidade do vírus em primeira mão, informou a Reuters. Por vários meses, ela compartilhou vídeos de ampla circulação que mostravam hospitais lotados, ruas vazias e cidadãos preocupados com suas finanças.

Em sua reportagem, Zhang criticou o governo, acusando o Partido Comunista Chinês de silenciar denunciantes sobre o vírus e alertando que o bloqueio de Wuhan havia sido decretado de maneira muito dura.

Em seu último vídeo, Zhang afirmou: “A maneira do governo administrar esta cidade tem sido apenas intimidação e ameaças. Esta é realmente a tragédia deste país”.

Depois desse vídeo publicado em maio, Zhang parou de responder às mensagens e seus amigos souberam mais tarde que ela havia sido presa e levada de volta a Xangai, acusada de “espalhar mentiras e inventar informações falsas”.

Na prisão

Ela fez greve de fome no final de junho e, em dezembro, estava com dores de cabeça, tontura, dor de estômago, pressão baixa e infecção na garganta, de acordo com a Reuters.

Seus advogados disseram ao tribunal que a polícia amarrou suas mãos e a alimentou à força com um tubo. Os pedidos ao tribunal para libertar Zhang sob fiança antes do julgamento e transmiti-lo ao vivo foram ignorados, disse seu advogado.

Antes de sua detenção, ela vinha tentando fazer campanha pelos parentes de luto das vítimas do vírus, que buscavam indenização. Cristã devota, Zhang supostamente via seu trabalho como “obediência ao chamado de Deus”.

“Eu a avisei sobre ir para Wuhan quando todo mundo estava tentando ir embora”, disse sua amiga e colega advogada, Li Dawei. “Ela é uma cristã convicta e disse que aquela era a vontade de Deus, que ela tinha que fazer isso e dizer a todos a verdade”.

Quando um de seus advogados a visitou na prisão, ela teria dito que gostaria de ter uma Bíblia e citou para ele trechos de 1 Coríntios: “Fiel é Deus, que não permitirá que vocês sejam tentados acima do que podem”.

Condenação

Zhang foi a primeira jornalista cidadã conhecida a enfrentar processos judiciais por suas atividades. Outros jornalistas cidadãos que desapareceram sem explicação foram Fang Bin, Chen Qiushi e Li Zehua.

Chen Jiangang, um advogado chinês de direitos humanos, disse ao The New York Times que a extensão da sentença de Zhang mostra o compromisso do Partido Comunista da China em preservar sua narrativa do surto.

“Sempre que o Partido Comunista Chinês pensa em um caso como político, o que eles usam é a repressão. Supressão extremamente cruel”, disse Chen.

“Qual foi o crime de Zhang Zhan?” Ele continuou. “Ela apenas foi a Wuhan, viu algumas coisas, falou sobre elas. É isso”.

Leo Lan, um consultor de pesquisa e advocacy da Chinese Human Rights Defenders, disse ao The Washington Post que o veredicto “mostra que nunca saberemos a verdade sobre a pandemia”.

“A sentença pesada de Zhang Zhan terá um efeito dissuasor de silenciar outras pessoas que testemunharam o que aconteceu em Wuhan no início deste ano”, disse ele.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here