Mais de 150 igrejas foram atacadas em 1 ano de guerra no Sudão

0
320

Igreja sendo reconstruída. (Captura de tela/YouTube/Samaritan’s Purse)

O conflito teve um impacto significativo na minoria cristã do Sudão, que é estimada em cerca de 2 milhões de pessoas.

Um relatório da Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF, sigla em inglês) aponta mais de 150 igrejas danificadas ou destruídas desde o início da guerra no Sudão em abril do ano passado.

O confronto entre as Forças Armadas Sudanesas e as Forças de Apoio Rápido (RSF, sigla em inglês) paramilitares resultou em milhares de mortes e na devastação de comunidades religiosas.

Os observadores dos EUA alertaram que locais religiosos estão sendo alvo de ataques, causando um grande rastro de destruição.

Estimativas mostram mais de 13.000 mortes pelo conflito em andamento no país, conforme relatado pela USCIRF.

Combatentes armados têm direcionado seus ataques a locais de culto e outros espaços religiosos, agravando ainda mais a situação.

“O direito humanitário internacional considera os locais de culto e espaços religiosos como sagrados, mesmo durante conflitos armados. Apesar das proteções previstas no Artigo 53, é inaceitável que os locais de culto e espaços religiosos continuem a ser danificados e destruídos no Sudão”, declarou o comissário Mohamed Magid.

Magid também demonstrou preocupações quanto aos ataques direcionados contra líderes religiosos e o impacto do conflito sobre as minorias religiosas.

Igrejas e líderes cristãos como alvo

Em janeiro, militantes da RSF incendiaram uma igreja evangélica em Wad Madani, conforme relatado pelo Morning Star News.

A igreja, construída em 1939, representava a maior estrutura religiosa do estado de Gezira. Além disso, a RSF atacou um mosteiro cristão copta na mesma região, transformando-o em uma base militar.

A violência não se restringe apenas às estruturas religiosas. Em maio de 2023, agressores armados invadiram uma igreja e abriram fogo contra quatro pessoas, incluindo um padre e seu filho, além de esfaquearem o guarda da igreja, antes de saquearem o edifício.

Militantes da RSF também são responsáveis pela morte de Hidar Al Amin, membro da Igreja Evangélica Presbiteriana Sudanesa, durante um ataque em Omdurman. Um parente de Al Amin relatou que ele foi morto após os militantes da RSF saquearem sua propriedade.

Num incidente separado, o pastor evangélico Kowa Shamal escapou por pouco da morte depois que militantes da RSF exigiram que ele renunciasse à sua fé, relatou La Croix International no início deste mês.

O pastor Shamal também recebeu a proposta, mas não a aceitou, resultando em um confronto físico que terminou com o assassinato de seu sobrinho de 23 anos. Os membros da RSF mataram o sobrinho por ele se recusar a remover a cruz que usava no pescoço.

Ajuda humanitária

O Enviado Especial dos EUA para o Sudão, Tom Perriello, e a Administradora Adjunta da USAID, Isobel Coleman, participaram da Conferência Humanitária Internacional sobre o Sudão no início deste mês, marcando o aniversário de um ano desde o início da guerra.

Durante a conferência, a Administradora Adjunta Coleman anunciou um adicional de 100 milhões de dólares em assistência humanitária para o povo do Sudão, elevando a assistência total do governo dos EUA ao povo sudanês para mais de um bilhão de dólares desde outubro de 2023.

Nos últimos meses, tem sido observado um aumento significativo na destruição de locais religiosos durante o conflito armado.

A USCIRF fez um apelo aos governos e atores não estatais para que sigam o direito internacional e protejam esses locais. Eles citaram publicações sobre a liberdade religiosa na região do Sahel e a proteção dos locais religiosos pelo direito internacional.

Impacto na minoria cristã

O conflito armado teve um impacto significativo na minoria cristã do Sudão, que é estimada em cerca de 2 milhões de pessoas, representando aproximadamente 4,5% da população do país, que ultrapassa os 43 milhões de habitantes.

A Lista Mundial de Observação de 2024 da Portas Abertas classificou o Sudão em 8º lugar entre os lugares mais desafiadores para os cristãos, com reformas de liberdade religiosa em nível nacional que não foram implementadas localmente.

Os ataques por parte de não intervenientes não estatais continuaram crescendo, o que contribuiu para essa classificação elevada.

A violência no Sudão resultou no deslocamento de milhões de pessoas, com os civis sofrendo as consequências da luta pelo poder entre as Forças Armadas Sudanesas (SAF) e as Rapid Support Forces (RSF).

À medida que os combates persistem, as minorias religiosas temem que a situação possa se deteriorar mesmo após o fim do conflito, levantando preocupações sobre futuras perseguições. O conflito em curso reavivou os receios em relação aos aspectos rigorosos da lei islâmica, especialmente após o golpe militar em 2021.

O “estado profundo” que instigou o golpe de 25 de outubro de 2021, desencadeando o conflito, é considerado uma ameaça às minorias religiosas.

O governo de transição, estabelecido após a deposição do ex-ditador Omar al-Bashir em 2019, havia feito progressos na redução da discriminação religiosa, incluindo a revogação das leis de apostasia. No entanto, o golpe militar reverteu esses avanços, deixando as comunidades religiosas do Sudão em uma situação precária.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

RETIRO IP SEMEAR 2023
Artigo anteriorAtivando a Fé para uma Vida Extraordinária
Próximo artigoA MÃO INVISÍVEL DA PROVIDÊNCIA
Pastor Eli Vieira é casado com Maria Goretti e pai de Eli Neto. Responsável pelo site Agreste Presbiteriano, Bacharel em Teologia, Pós-Graduado em Missiologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, Recife-PE e cursando Psicologia na UNINASSAU. Exerce o seu ministério pastoral na Igreja Presbiteriana do Brasil desde o ano 1997 ajudando as pessoas a encontrarem esperança e salvação por meio de Jesus Cristo. Desde a sua infância serve ao Senhor, sendo educado por seus pais aos pés do Senhor Jesus que me libertou e salvou para sua honra e glória.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here