Mais de 40 pastores de SP viajam em missão de ajuda às vítimas no Rio Grande do Sul

0
533

Comitiva “Entre Amigos” com pastores que viajaram em missão ao RS. (Foto: Arquivo pessoal)

Missão pastoral, que representou 17 igrejas de Atibaia, Araçariguama e Bragança Paulista, levou ajuda humanitária a cidades gaúchas.

Um grupo de 44 pastores, representando 17 igrejas das cidades de Atibaia, Araçariguama e Bragança Paulista, em SP, viajou em uma missão de ajuda humanitária para o Rio Grande do Sul.

A comitiva foi enviada por suas igrejas durante o culto de domingo (02) para Gravataí, onde os pastores foram recebidos pelo Pr. Daniel Dias, diretor do Seminário Palavra da Vida, que serviu de base para o grupo missionário.

Em entrevista ao Guiame, Wellington Abreu, pastor da Igreja Família Vitoriosa, em Atibaia, explicou que a missão envolvendo os líderes evangélicos foi organizada para oferecer apoio às vítimas dos recentes desastres na região, focando o trabalho em limpeza e doações essenciais.

Wellington Abreu, pastor da Igreja Família Vitoriosa, em Atibaia, coordenador da missão “Entre Amigos”. (Foto: Arquivo pessoal)

Segundo o Pr. Wellington, tudo começou com um grupo de pastores em Atibaia, conhecido como “Entre Amigos”.

“Deus tem aproximado um grupo de pastores amigos em Atibaia, que estão abertos para se relacionar de forma extremamente pessoal”, disse. “Quando chegaram as notícias sobre o Rio Grande do Sul, esse grupo começou a orar e levantar recursos em diversas igrejas”.

Doações e limpeza

Ele diz que o movimento dos pastores começou a receber doações que chegaram de empresários e membros das igrejas, fazendo com que conseguissem enviar sete carretas de insumos para as vítimas das enchentes.

As doações não foram apenas materiais, mas também espirituais, com encontros de oração que fortaleceram a missão e impulsionaram o grupo a agir.

“Enquanto as doações aconteciam, encontros de oração nutriram a missão, a ponto desse chamado de servir o Rio Grande do Sul se tornar o próximo passo da ação ‘Entre Amigos’”, contou.

Além disso, o coordenador do grupo pastoral disse que “o propósito dessa missão era realizar, com nossas próprias mãos, o que o dinheiro e as doações não poderiam alcançar”.

Assim, o novo objetivo passou a ser participar da reconstrução de forma bíblica, “agindo como Jesus: sentando, chorando, cantando, sorrindo, compartilhando o pão e nossos corações”.

Casa do Pr. Luís Nascimento, em São Leopoldo, ficou submersa. (Foto: Arquivo pessoal)

“Esta missão não era apenas sobre ajuda material, mas também sobre levar consolo e esperança às pessoas afetadas”, declarou.

As equipes se dividiram para atender às demandas que eram enormes, inclusive com a limpeza de imóveis.

Casa do Pr. Luís Nascimento; antes e depois da limpeza. (Arquivo pessoal)

O Pastor Luís Nascimento, da Igreja Batista da Lagoinha de São Leopoldo, teve sua casa completamente destruída pelas chuvas.

Ele enfrentou uma devastadora inundação que deixou sua casa submersa por mais de 15 dias, resultando na perda total dos móveis e destruição de todo o Drywall que revestia as paredes da casa de madeira.

Ele agradeceu à equipe de Atibaia, que fez a limpeza em sua casa: “Sou muito agradecido pelo carinho de vocês”, disse.

Pr. Luís Nascimento do lado de fora da casa após as águas baixarem. (Arquivo pessoal)

O Pr. Wellington informou que a ajuda ao Pr. Luís se estenderá por um ano.

“Adotamos a família do Pr. Luís por um ano, com ajuda em moradia, mobília, aluguel por esse período e acompanhamento para as famílias e a igreja que ele pastoreia”, disse.

Desafios e experiências

O pastor conta que o maior desafio enfrentado pela equipe foi administrar a limitação de recursos diante do grande caos que encontraram.

A missão consistia em servir três casas em uma rua, enquanto a necessidade era muito maior, com vizinhos desesperados pedindo ajuda. No entanto, a equipe conseguiu se multiplicar e superar as expectativas, expandindo o alcance da missão para um raio de 50 quilômetros, auxiliando 15 cidades e 29 igrejas, e limpando 55 locais entre casas.

O Pr. Wellington relatou que uma das experiências mais marcantes para o grupo foi encontrar casais de idosos, mulheres e famílias pequenas que não tinham força para continuar a limpeza de suas casas. Ver a chegada do grupo com 10 homens e toda a estrutura necessária para servir os levou às lágrimas.

“Pessoas começaram a chorar e dizer que estavam orando e pedindo a Deus para enviar ajuda”, contou.

“Esse tipo de testemunho de gratidão foi repetido em muitos lugares, mostrando o impacto profundo e emocional da missão ‘Entre Amigos’ no Rio Grande do Sul”.

Organização e logística

Segundo informou o pastor, a organização e logística para levar um grupo tão grande de pastores ao Rio Grande do Sul exigiu um esforço grande e bem coordenado e contou com a ajuda efetiva da igreja.

“A igreja sempre tem um papel importante levantando recursos e financiando a missão, desde o [aluguel de] ônibus, combustível e custos diversos, tudo foi custeado pelas igrejas, pastores, líderes e empresários”, disse.

Ele explicou que a parceria com o seminário Palavra da Vida foi essencial: “Eles cuidaram da nossa equipe com carinho, pessoas extremamente preparadas, competentes, e ainda cuidaram de toda a logística, agendamentos, tudo em parceria com as igrejas da região”.

Impacto missionário

O grupo relata que o impacto causado pela presença deles para apoiar as vítimas pôde ser sentido com frases como “Deus trouxe vocês aqui”.

“O impacto de oferecer esperança, de servir quem estava esgotado, cansado, sem vigor, se resumiu na frase que ouvimos da maioria deles: ‘Deus trouxe vocês aqui’”, explicou o pastor Wellington.

Parte da equipe da missão de pastores em ação no RS. (Foto: Arquivo pessoal)

Segundo ele, isso foi o resultado de oferecerem o melhor que poderiam para socorrer às pessoas em suas dores: “Revelou Jesus para elas; e não sei dizer se o impacto maior foi nelas ou se foi em nós”.

Lições em meio à tragédia

Durante a missão de ajuda humanitária no Rio Grande do Sul, o grupo compartilhou algumas lições aprendidas em meio à tragédia:

1. O que realmente tem valor na vida é o que o dinheiro não pode comprar.

2. Não é o quanto nós vamos interferir no caos geral, mas o quanto podemos fazer a diferença na vida de uma pessoa.

3. O coração nos aproxima, a missão nos une.

4. “Amar ao próximo como a si mesmo”: em união, compartilhamos esperança e auxílio aos que sofrem, seguindo o exemplo de Cristo.

5. Ir até onde o seu braço chega.

6. Nossa decisão de servir e amar ao Senhor e o próximo manifesta a vontade de Deus além dos nossos planos.

Planos para a missão

O pastor diz ainda que existem planos para prosseguimento da missão “Entre Amigos”.

“Na primeira semana de julho voltaremos com dois ônibus de pastores para servir o Rio Grande do Sul”, revelou.

“Enviaremos também um casal de missionários para servir por lá, enquanto os pastores de nossa região retornam comovidos e determinados a continuar servindo ao Rio Grande do Sul”, finalizou.

O grupo da viagem missionária retornou para Atibaia na quinta-feira (6), após encerrar o expediente de atividades no Sul.

FONTE: GUIAME, ADRIANA BERNARDO

RETIRO IP SEMEAR 2023

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here