Marcha pelos Mártires exorta cristãos dos EUA a ‘seguirem Jesus, não importa o custo’

0
145

4ª Marcha pelos Mártires aconteceu na capital dos EUA. (Foto: Instagram/marchforthemartyrs)

A 4ª Marcha Anual dos Mártires, que aconteceu em Washington, teve como tema a conscientização da perseguição aos cristãos no mundo.

Os defensores da liberdade religiosa estão incentivando os americanos a se inspirarem nos cristãos que vivem em países onde enfrentam perseguição ou até mesmo a morte por sua fé, e a cultivarem uma disposição para “seguir Jesus, não importa o custo”.

A quarta edição da Marcha Anual dos Mártires sábado (27), em Washington. O evento, que reuniu dezenas de pessoas no National Mall, visa aumentar a conscientização sobre a situação dos cristãos perseguidos em todo o mundo.

Após o momento de louvor e adoração, houve discursos de ativistas da liberdade religiosa. Em seguida, os participantes marcharam pelas ruas em direção ao Museu da Bíblia.

A Marcha pelos Mártires percorreu ruas de Washington. (Foto: Instagram/marchforthemartyrs)

“O que nos deixa realmente entusiasmados é a quantidade de cristãos de todas as denominações que se reúnem”, disse a fundadora do For the Martyrs, Gia Chacón, em entrevista ao The Christian Post, pouco antes do início do evento.

“Este não é um evento apenas para evangélicos ou batistas; este é um evento para todos que professam Jesus Cristo como Senhor, e é por isso que estamos mais entusiasmados”.

“A perseguição aos cristãos é uma questão de direitos humanos, por isso não só nos reunimos em oração como Corpo de Cristo, mas esperamos trazer esta … crise para a linha da frente da luta pelos direitos humanos e exigir ação do governo dos Estados Unidos para proteger os cristãos em todo o mundo”, acrescentou ela.

A fundadora do For the Martyrs, Gia Chacón. (Foto: Instagram/marchforthemartyrs)

“O componente espiritual da Marcha pelos Mártires não deve ser subestimado. É tão poderoso quando os cristãos se unem como uma só voz em oração e para elevar a dignidade humana e defender os direitos humanos.”

Atmosfera hostil

Chacón declarou ainda que a Marcha dos Mártires é uma forma de defender “a liberdade religiosa e a proteção dos nossos irmãos e irmãs que sofrem pela sua fé em Cristo”.

Durante as manifestações dos palestrantes, ela falou sobre a atmosfera hostil que os cristãos enfrentam em outras partes do mundo: “Em alguns lugares do Médio Oriente, os cristãos sofrem todos os dias pela sua fé. Abandonar a vida é algo normal, não uma ocorrência rara.”

Diversos ativistas cristãos palestraram na Marcha pelos Mártires em Washington. (Foto: Instagram/marchforthemartyrs)

“A perseguição cristã aumentou em 100 milhões de pessoas” desde que ocorreu a primeira Marcha dos Mártires em 2020, lamentou Chacón. “Existem agora mais de 365 milhões de cristãos em todo o mundo que enfrentam perseguição por causa da sua fé em Cristo.”

Em seu discurso, Chacón relembrou uma conversa que teve com cristãos egípcios que perderam entes queridos como resultado da perseguição cristã: “Eles disseram: ‘Estamos tão orgulhosos deles, estamos tão orgulhosos deles que Jesus significou tudo para eles .’”

“Precisamos desse testemunho aqui nos Estados Unidos”, afirmou Chacón. “Precisamos de coragem para dar a nossa vida, para seguir Jesus, não importa o custo.”

Testemunho cristão

Outros palestrantes no evento reproduziram o apelo de Chacón para que os cristãos americanos adotem um testemunho de fé mais forte.

Simone Rizkallah, diretora de educação do Projeto Philos, citou uma resposta de um líder religioso católico oriental a um ocidental que perguntou: “O que podemos fazer para ajudar” os cristãos no Iraque, na Síria e em outros países que têm sido alvos do Grupo terrorista do Estado Islâmico. O patriarca respondeu: “Seja feliz”.

“O que ele quis dizer ao dizer ‘seja feliz’ é incorporar tanto a glória de Deus, incorporar e refletir tanto a alegria cristã e testemunhá-la, de forma que nossos sacrifícios no Oriente não pareçam ser em vão quando se trata do Corpo de Cristo”, disse Rizkallah, sugerindo ao longo de suas observações que os cristãos nos EUA carecem desse tipo de fervor.

Rizkallah concordou com a conclusão de Madre Teresa de que os Estados Unidos eram “o país mais pobre” por causa da “pobreza da solidão”. O ativista da liberdade religiosa sugeriu que a solidão percebida pela falecida líder espiritual decorre do fato de que “os Estados Unidos esqueceram Deus, esqueceram Jesus, esqueceram suas raízes”.

Como neta de armênios que fugiram para o Egito durante o Genocídio Armênio, Rizkallah compartilhou que seus pais vieram para os EUA antes de seu nascimento. Embora ela expressasse gratidão pela “prosperidade econômica e liberdade religiosa que este país oferece”, ela lamentou que “algo espiritual se tenha perdido quando nos tornamos americanos”.

Rizkallah declarou estar enojada com o fato de seus colegas da escola secundária católica que ela frequentava “não se importarem com a fé”.

“Pensei comigo mesma: não é interessante que você finalmente esteja livre para praticar sua fé e quando finalmente estiver livre, você não se importa mais”, acrescentou ela.

Exemplos de fé

Outro o orador cristão e personalidade da mídia Christian Trimino, compartilhou como sua visita à ditadura de Cuba em 2016 mudou sua perspectiva de vida: “Você encontra pessoas que têm tanta alegria. Você vê uma arquitetura linda, carros clássicos, comida incrível e, apesar das condições em que vivem, quando você conversa com essas pessoas, elas transbordam de alegria e felicidade.”

“Quando olhamos para a cultura ocidental, vivemos num mundo onde contrastamos os Estados Unidos com muitos outros países e uma palavra que nos vem à mente é ‘confortabilidade’”, afirmou.

Trimino comparou o que considerava ser a mentalidade predominante nos EUA, onde as pessoas não “querem fazer nada que vá contra o seu conforto imediato”, com a filosofia dos cristãos em Cuba e noutros focos de perseguição religiosa.

“Há pessoas que estão literalmente sendo mortas só por dizerem que acreditam em Jesus. Você tem pessoas que estão sendo forçadas a sair de suas casas. Há pessoas que estão sendo forçadas a sair de seus países. Você tem pessoas que estão sendo torturadas, separadas das famílias, tudo porque não querem… ir contra Jesus”.

‘Não tirem Jesus de mim’

Para ele, os americanos podem aprender uma lição com “nossos irmãos e irmãs que são perseguidos em todo o mundo” que têm “um relacionamento tão real com Jesus”.

Ele detalhou como essas pessoas adotaram uma filosofia de que “você pode ficar com minha casa, pode ficar com meu negócio, pode ficar com minha reputação, pode ficar com meu dinheiro, pode ficar com minha esposa, pode ficar com meu marido, pode ficar com meus filhos, até lhes darei a minha vida, mas a única coisa que vocês não podem tirar de mim é o meu Jesus”.

Ele insistiu ainda que os americanos têm a obrigação de “aproveitar a liberdade que temos nos Estados Unidos e ser gratos por ela e administrá-la bem, usar nossa liberdade para comparecer a eventos como este, para iniciar organizações como a Gia começou, e realmente fazer mudanças positivas e defender e lutar e dizer: ‘Obrigado, Jesus, por termos a oportunidade de nos colocar neste tempo e neste lugar para fazer mudanças globais em todo o mundo.’”

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

RETIRO IP SEMEAR 2023
Artigo anteriorAna Paula Valadão é condenada a pagar R$ 25 mil por declaração sobre gays durante culto
Próximo artigoSocorro Nas Tentações
Pastor Eli Vieira é casado com Maria Goretti e pai de Eli Neto. Responsável pelo site Agreste Presbiteriano, Bacharel em Teologia, Pós-Graduado em Missiologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, Recife-PE e cursando Psicologia na UNINASSAU. Exerce o seu ministério pastoral na Igreja Presbiteriana do Brasil desde o ano 1997 ajudando as pessoas a encontrarem esperança e salvação por meio de Jesus Cristo. Desde a sua infância serve ao Senhor, sendo educado por seus pais aos pés do Senhor Jesus que me libertou e salvou para sua honra e glória.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here