Nuvem de poeira do Saara se aproxima dos Estados Unidos em meio à pandemia

0
248

Imagens da nuvem de poeira foram captadas por satélites. Apelidada de ‘Godzilla’ devido ao seu tamanho, a nuvem também pode agravar efeitos do coronavírus.

Nuvem de poeira do Saara já chegou ao Caribe e se aproxima dos EUA. (Foto: Reuters)
Nuvem de poeira do Saara já chegou ao Caribe e se aproxima dos EUA. (Foto: Reuters)

Uma enorme nuvem de poeira do deserto do Saara, no norte da África, atravessa a atmosfera, a milhares de metros acima do tropical Oceano Atlântico, e agora encobre o Caribe e se aproxima do sudeste dos Estados Unidos.

Embora as plumas de poeira do verão sejam uma ocorrência comum, essa parece ser uma das mais extremas dos últimos anos. É tão grande que foi apelidada de ‘Godzila Dust Cloud’ (‘Nuvem de Poeira Godzilla’).

“Este é o evento mais significativo nos últimos 50 anos. As condições são perigosas em muitas ilhas do Caribe”, disse Pablo Méndez Lázaro, da Escola de Saúde Pública da Universidade de Porto Rico, à Associated Press.

Nas imagens de satélite do espaço, a poeira normalmente parece um pouco sutil e fraca, mas pode ser vista tão clara quanto o dia. A imagem abaixo foi capturada no último domingo (21) pela Estação Espacial Internacional.

Foto tirada mostra nuvem de poeira que saiu do deserto do Saara e avança em dieração aos EUA. (Imagem: DOUG HURLEY / NASA)

“Voamos sobre essa nuvem de poeira saariana hoje no Atlântico centro-oeste. Incrível o tamanho de uma área que ela cobre!”, postou o astronauta Doug Hurley no Twitter.

Essas plumas de poeira saariana, denominadas Camada de Ar Saariana (SAL) pelos meteorologistas, são provocadas por fortes tempestades de vento que cruzam o deserto do Saara. A poeira entra no Oceano Atlântico perto das ilhas de Cabo Verde, dentro da Zona de Convergência Intertropical, onde os sistemas tropicais costumam começar.

A Administração Oceânica e Atmosférica Nacional capturou com seus satélites uma série de imagens na sexta-feira, quando a poeira entrou no profundo oceano tropical da África.

A poeira pega uma carona com os ventos alísios, um cinturão de ventos que se movem de leste a oeste perto do equador, que se estabelece firmemente durante o verão. A camada de poeira pode se estender de alguns milhares de pés acima da superfície a 20.000 pés acima.

Enquanto as massas de poeira geralmente permanecem intactas durante a maior parte da viagem transatlântica, elas geralmente se tornam difusas e diluídas quando chegam ao Caribe. No entanto, até agora, essa camada de poeira em particular está desafiando as probabilidades.

Quando a poeira é espessa, cria um céu marrom-amarelado muito nebuloso. Mas quando a poeira é bastante fraca, a refração e o reflexo da luz podem contribuir para o nascer e o pôr do sol deslumbrantes, o que pode ajudar a explicar pelo menos parcialmente o pôr do sol do último domingo em Miami.

Impacto na saúde

A poeira era tão espessa que os Serviços Meteorológicos de Barbados emitiram um “Aviso de Neblina Severa de Poeira”, pedindo aos moradores que tomem medidas devido à visibilidade significativamente reduzida e ao agravamento de problemas respiratórios para pessoas que já lidam com alguma dificuldade em respirar, como asma, bronquite, pneumonia, entre outras.

Os satélites da NASA medem a intensidade das nuvens de poeira com uma métrica chamada Aerosol Optical Thickness (AOT). Essa métrica indica o grau em que os aerossóis impedem a transmissão de luz pela atmosfera: 0,01 indica céu cristalino, 0,4 corresponde a condições muito nebulosas e 4 significa que a poluição é tão densa que o sol não pode ser visto no meio da atmosfera durante o dia.

Na a última terça-feira, as AOTs mediram cerca de 1,5 – muito densa – na mais espessa massa de poeira perto das ilhas de Hispaniola e Jamaica, restringindo as visibilidades a menos de um quilômetro em algumas partes do Caribe e provocando uma qualidade do ar muito prejudicial, medida pelo mundo Projeto Índice de Qualidade do Ar.

Pesquisas mostram que o pó transportado pelo ar pode ter efeitos adversos na saúde. A inalação de partículas de poeira pelas vias aéreas pode iniciar uma resposta imune inflamatória. A poeira é mais prejudicial para pessoas com condições pré-existentes, como asma e alergias, mas quando é tão espessa quanto a pluma em direção aos EUA pode até ser prejudicial para pessoas saudáveis, se a exposição durar muito tempo.

Outra complicação imposta por essa iminente nuvem de poeira é sua coincidência com a COVID-19. Um estudo recente da Universidade de Harvard descobriu que o aumento da poluição, especificamente partículas, como poeira, pode levar a internações hospitalares mais altas e taxas de mortalidade por COVID-19. As autoridades de saúde recomendam o uso de uma máscara para proteção contra a inalação do pó.

Os casos de COVID-19 estão em ascensão na Flórida e no Texas, que estão bem no caminho da pluma. A poeira chegará na quinta-feira no Texas e durará até sábado. No final desta semana, ela espalhará o resto do sudeste, criando céus nebulosos, nascer e pôr do sol coloridos.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA CBS NEWS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here