O DEUS DA ALIANÇA

0
128

Maravilhosa Graça!

Neemias 9

O Dr. Arthur T. Pierson: “Nossa história é a história de Deus”, uma verdade que este capítulo comprova. “O fato de os seres humanos não aprenderem muita coisa com as lições da história é a lição mais importante que a história tem a ensinar”, foi o que escreveu Aldous Huxley; e nas palavras do filósofo George Santayana: “Aqueles que não se lembram do passado estão condenados a revivê-lo”. A Igreja de hoje tem muito que aprender com as experiências de Israel, mas só se estivermos dispostos a nos humilhar e a receber a verdade.

O Deus Jeová é o tema central deste capítulo: quem ele é, o que ele faz por seu povo e o que o seu povo deve fazer por ele. Essa oração faz uma retrospectiva da história de Israel e revela tanto a majestade de Deus quando a depravação dos seres humanos. Israel respondeu à “grande bondade” de Deus (Nm 9:17, 25) e à sua “grande misericórdia” (v. 31) com “grandes blasfêmias” (vv. 18, 26) que resultaram numa “grande angústia” (v. 37).

É interessante que três das principais “orações nacionais” de Israel foram registradas em Esdras 9, Neemias 9 e Daniel 9. Por trás dessas orações, encontra-se a promessa de 2 Crônicas 7:14, bem como o exemplo de Moisés ao interceder pelo povo (Êx 32 – 33).

Ao ler esta oração, observe como suas palavras revelam a grandeza de Deus (Ne 9:1-6), a bondade de Deus (vv. 7-30) e a graça de Deus (vv. 31-38).

1. A GRANDEZA DE DEUS ( Ne 9:1-6) A Festa dos Tabernáculos havia terminado, mas o povo ainda ficou na cidade para ouvir mais da Palavra de Deus. Os banquetes transformaram-se em jejum, à medida que a Palavra os convenceu da culpa e que o povo começou a confessar seus pecados. Na maioria das igrejas de hoje, um culto de seis horas – com três horas de pregação e três horas de oração – provavelmente resultaria em algumas cartas de transferência, mas para o povo judeu daquela época, foi o começo de uma nova vida para eles e para sua cidade.

No passado as igrejas do EUA costumavam promover campanhas evangelísticas que duravam duas semanas, e não era incomum ter uma série de eventos que reuniam a cidade toda e que se estendia por um mês ou seis semanas durante o verão. Aos poucos, houve uma mudança, à medida que as “reuniões especiais” foram encurtadas para uma semana, depois para um final-de-semana e, agora, são praticamente obsoletas. Vivemos numa era de resumos e de fast-food, e essa mentalidade invadiu nossas igrejas. Cantamos hinos piedosos, mas não estamos dispostos a pagar o preço de buscar a santidade.

 A grandeza de Deus é vista no fato de que ele aceita nossa adoração (vv. 1-5). A verdadeira adoração é constituída de vários elementos: ouvir as Escrituras, louvar a Deus, orar, confessar os pecados e se separar daquilo que desagrada ao Senhor. Cada um desses elementos encontra-se registrado neste parágrafo.

A adoração envolve a Palavra de Deus, pois a Palavra de Deus revela o Deus da Palavra. Em sua obra The Knowledge of the Holy [O Conhecimento do Santo], A . W. Tozer escreveu: “A essência da idolatria é alimentar pensamentos sobre Deus que não são dignos dele” (p. 11). Quanto mais conhecermos as Escrituras e interagirmos com elas, maior será nosso conhecimento de Deus e mais semelhantes a ele nos tornaremos. Israel foi escolhido por Deus para receber sua lei (v. 13) e para conhecer sua vontade. Qualquer culto que deixe as Escrituras de fora não recebe a bênção do Senhor.

Deus fala conosco por meio das Escrituras, e nós falamos com ele por meio da oração e do louvor. “Levantai-vos, bendizei ao S e n h o r , vosso Deus” (v. 5) – essa é uma ordem à qual todo cristão verdadeiro deseja obedecer. O nome de Deus é exaltado acima de todos os nomes (Fp 2:9-11), e devemos honrá-lo com nosso louvor. Deve ser um nome que “ultrapassa todo bendizer e louvor” (Ne 9:5).

O povo também dedicou algum tempo à confissão de seus pecados (vv. 2, 3) e buscou o perdão do Senhor. A comemoração anual do Dia da Expiação havia passado, mas os adoradores sabiam que precisavam ser constantemente purificados e renovados pelo Senhor. Não devemos nos tornar tão introspectivos a ponto de começarmos a deixar o Senhor de lado, mas devemos ser honestos em nosso relacionamento com ele (1 Jo 1:5-10).

 Por fim, o povo se separou do mundo ao se aproximar do Senhor (Ne 9:2; Ed 6:21). A separação sem devoção ao Senhor transforma-se em isolamento, mas a devoção sem separação é hipocrisia (ver 2 Co 6:14 – 7:1). A nação de Israel foi escolhida por Deus para ser um povo especial, separado das nações pagãs ao seu redor. “Ser-me-eis santos, porque eu, o S e n h o r , sou santo e separei-vos dos povos, para serdes meus” (Lv 20:26). O apóstolo Pedro aplicou essas palavras aos cristãos na igreja de nossos dias (1 Pe 1:15; 2:9, 10).

 A grandeza de Deus também pode ser vista no fato de que somente ele é Deus (Ne 9:6a). A nação de Israel estava cercada pela idolatria e pelo estilo de vida degradante associado aos cultos pagãos. Em sua leitura e explicação da lei, Esdras sem dúvida havia enfatizado os Dez Mandamentos (Êx 20:1- 17; Dt 5:6-21), inclusive os dois primeiros mandamentos que declaram a singularidade de Deus e a perversidade da idolatria. Até hoje, os judeus devotos ainda recitam o “Shema” (Dt 6:4-6), como sua declaração de fé no único Deus verdadeiro.

Outra prova da grandeza de Deus é o fato de que ele criou o universo (Ne 9:6b). A declaração: “No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gn 1:1) aplica-se somente a Jeová, o Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Sempre que Deus desejava encorajar seu povo, apontava para a criação ao redor deles e os lembrava de que havia feito todas as coisas (Is 40). Usou a mesma abordagem para lembrá-los da insensatez da idolatria (Is 41).

A grandeza de Deus é vista em seu cuidado providencial com sua criação (Ne 9:6c). Ele não se ateve simplesmente a criar todas as coisas e a entregá-las à própria sorte. Deus está envolvido naquilo que diz respeito a sua criação: ele vê quando um pardal cai em terra (M t 10:29) e ouve os filhos dos corvos quando pedem alimento (Sl 147:9). Sabe o número e o nome de todas as estrelas (v. 4) e sabe até o número de cabelos em nossa cabeça (Lc 12:7). “Abres a mão e satisfazes de benevolência a todo vivente” (Sl 145:16).

 Por fim, a grandeza de Deus é vista no fato de que o exército dos céus o adora (Ne 9:6d). Não somos capazes de imitar os feitos poderosos dos anjos, mas podemos imitar sua devoção ao Senhor, adorando-o diante de seu trono. E temos mais motivos para louvá-lo do que eles! Fomos salvos pela graça de Deus e, um dia, seremos como o Senhor Jesus Cristo. Não somos apenas servos, mas também filhos de Deus (1 Jo 3:1-3) e habitaremos com ele para sempre!

Em nossa adoração, é prudente começar pela grandeza de Deus. Se nos concentrarmos demais naquilo que ele nos dá ou no que desejamos que ele faça, nosso coração pode tornar-se egoísta. A adoração sincera honra a Deus apesar das circunstâncias, sentimentos ou desejos.

2 . A BONDADE DE DEUS ( Ne 9 :7-30) Essa oração recita a história de Israel, revelando a bondade de Deus para com seu povo e como este, repetidamente, não deu o devido valor a suas dádivas nem obedeceu à sua vontade. O verbo “dar” aparece, de uma forma ou de outra, pelo menos dezesseis vezes neste capítulo, pois Deus é, de fato, o “doador”, que se compraz em suprir as necessidades de seu povo (1 Tm 6:17). Deus deu a Israel uma terra (Ne 9:8, 15, 35), uma lei (v. 13), o ministério do Espírito (v. 20), alimento e água (vv. 15, 20), libertadores (v. 27) e vitória sobre os inimigos (vv. 22, 24). O que mais podiam querer?

 Séculos antes, Moisés havia advertido o povo a que não se esquecesse de Deus e de sua mão bondosa de bênção ou de sua mão amorosa de disciplina (Dt 8). Infelizmente, a nação não agradeceu a Deus em tempos de bênção, mas, em tempos de sofrimento, buscou mais que depressa o socorro do Senhor (ver os Sl 105 e 106). Não nos apressemos em julgá-los, pois alguns dentre o povo de Deus, nos dias de hoje, tratam o Senhor da mesma forma.

 Trata-se de um padrão de comportamento que pode ser visto em todos os estágios da história de Israel.

A nação é formada (vv. 7-18). Quando Deus escolheu Abrão e se revelou a ele, foi um ato da mais pura graça, pois Abrão era um idólatra que vivia numa cidade pagã (Js 24:2, 3). Com o tempo, Deus mudou o nome do patriarca de Abrão (“pai exaltado”) para Abraão (“pai de muitos”), pois prometeu transformá-lo numa grande nação (Gn 12:1- 3; 17:1-8). Apesar dos lapsos ocasionais de fé, durante um século Abraão creu no Senhor e caminhou de acordo com sua vontade. Sua fé obediente se manifestou de forma especialmente clara quando colocou seu filho, Isaque, no altar (Gn 22; Hb 11:1 7-19).

A aliança de Deus (Gn 12:1-3) serviu de base para tudo o que Deus fez com Abraão e seus descendentes e em favor deles. O propósito de Deus era que todo o mundo fosse abençoado por intermédio de Israel, o que se cumpriu quando ele enviou seu Filho, Jesus Cristo (Gl 3:8).

Em Neemias 9:16-18, Neemias relata como a nação reciprocou tudo o que Deus havia feito por eles. Recusaram curvar-se diante de sua autoridade (“endureceram a sua cerviz”), a ouvir sua Palavra (“não deram ouvidos”) e a obedecer à sua vontade. Em Cades-Barneia, tentaram assumir o controle e nomear um novo líder para levá-los de volta ao Egito (v. 1 7; Nm 14:1-5). Enquanto Moisés estava no monte com Deus, os israelitas confeccionaram e adoraram um ídolo (Ne 9:18; Êx 32). Moisés intercedeu pelo povo, e Deus os perdoou.

 Como essas pessoas puderam dar as costas para Deus depois de tudo o que o Senhor havia feito por elas? A verdade é que não o amavam. Sua obediência era apenas uma atitude externa, que não vinha do coração. Em seu coração, ainda estavam no Egito, e era para lá que desejavam voltar. Não tinham uma fé viva em Deus, mas, ainda assim, queriam receber sua ajuda e desfrutar suas dádivas. Para um “raio-x” da história espiritual de Israel, leia o Salmo 78.

A nação é conduzida (vv. 19-22). Durante os quarenta anos em que Israel foi disciplinado no deserto, a geração mais antiga morreu e nasceu uma nova geração; mas, em momento algum, Deus abandonou seu povo. Ele os conduziu por meio da coluna de nuvem e de fogo, ensinou-lhes a Palavra, supriu suas necessidades práticas e lhes deu vitória sobre os inimigos. Deus cumpre suas promessas e propósitos. Se obedecermos ao Senhor, participaremos de suas bênçãos; se desobedecermos ao Senhor, perderemos a bênção, mas ainda assim Deus cumprirá seus propósitos, e seu nome será glorificado.

A nação é disciplinada (vv. 23-30). Deus prometeu multiplicar seu povo e cumpriu sua promessa (Gn 22:17). Também prometeu lhes dar uma boa terra e cumpriu essa promessa (13:14-18; 17:7, 8). Sob a liderança de Josué, o exército de Israel invadiu Canaã, conquistou a terra e se apropriou de todas as suas riquezas. Foi Deus quem lhes deu a vitória, permitindo que tomassem cidades, casas, terras e bens na terra de Canaã.

 Era uma “terra fértil”, e os israelitas “engordaram”, e isso os levou à queda. “Mas engordou-se o meu amado [Israel]; deu coices; engordou-se, engrossou-se, ficou nédio e abandonou a Deus, que o fez” (Dt 32:15). O povo não deu ouvidos às advertências de Moisés (Dt 8). Israel desfrutou a grande bondade de Deus, mas não se agradou do Senhor. Assim como o filho pródigo (Lc 1 5:11- 24), quis a riqueza do seu Pai, mas não a vontade dele.

 Com o disse Thomas Carlyle: “Para cada cem homens que suportam a adversidade, há somente um capaz de suportar a prosperidade”. Nas palavras do escritor John Steinbeck: “Para destruir uma nação, dê-lhe em excesso – torne-a gananciosa, miserável e doente”. Uma igreja local também pode orgulhar-se de suas “riquezas” e se tornar pobre aos olhos de Deus (Ap 3:14-22). A igreja que talvez consideremos pobre é, provavelmente, rica aos olhos de Deus (Ap 2:8, 9)

Os propósitos de Deus são mais importantes que nossos prazeres, e ele cumprirá esses propósitos, mesmo que, para isso, tenha de nos disciplinar.

A disciplina de Deus é uma prova tão real de seu amor quanto o suprimento abundante de nossas necessidades (Hb 12:1-11). Devemos ser gratos por Deus nos amar demais para permitir que fiquemos “mimados”. Em momento algum o Pai está mais próximo de nós do que quando ele nos disciplina. “Bem-aventurado o homem, S e n h o r , a quem tu repreendes, a quem ensinas a tua lei, para lhe dares descanso dos dias maus, até que se abra a cova para o ímpio” (S l 94:12, 13). “Antes de ser afligido, andava errado, mas agora guardo a tua palavra” (119:67).

3 . A GRAÇA DE DEUS ( Ne 9 :31 – 38 ) Deus foi bom para seu povo quando seu povo não foi bom para ele. Enviou profetas para ensinar e advertir Israel, mas a nação recusou-se a ouvir (2 Cr 36:14-21). Foi misericordioso ao perdoá-los quando clamaram por socorro e foi longânimo com eles quando se rebelaram repetidamente contra sua Palavra. Poderia ter destruído a nação e começado de novo (ver Êx 32:10 e Nm 14:11, 12), mas, em sua graça, ele os poupou. Em sua misericórdia, Deus não lhes deu o que mereciam e, em sua graça, ele lhes deu o que não mereciam.

Enquanto os levitas oravam, reconheceram os pecados de sua nação e a justiça de Deus ao enviar o castigo. “Porque tu és justo em tudo quanto tem vindo sobre nós; pois tu fielmente procedeste, e nós, perversamente” (Ne 9:33). Observe que os levitas usaram o pronome “nós” e não “eles”. Ao orar, identificaram-se com a nação e reconheceram a própria culpa. Neemias havia orado de maneira semelhante no início do livro (1 :6, 7). E fácil ter convicção dos pecados dos outros, mas Deus só perdoa quando nos arrependemos e confessamos os próprios pecados.

Quando Deus havia sido seu rei, os israelitas desfrutaram grandes bênçãos, mas quando se rebelaram contra a vontade de Deus, viram-se escravizados por reis que não tinham compaixão alguma por eles. Samuel havia advertido (1 Sm 8) e Moisés havia profetizado que a nação entregaria suas riquezas a seus conquistadores (Dt 28:1 5ss). Sempre que deixamos de entregar a Deus o que lhe é devido, não retemos essa riqueza para nós. Ele a tomará de uma forma ou de outra. Os cristãos que se recusam a honrar a Deus alegremente por meio da contribuição fiel acabam vendo-se obrigados a gastar esse dinheiro de modo relutante em coisas difíceis ou inesperadas, como tratamentos médicos ou reparos na casa (ver Ml 3:7-12).

 Samuel havia conduzido o povo a uma renovação de seus votos pactuais (1 Sm 11:14 – 12:25), mas o rei Saul levou o povo de volta ao pecado e à derrota. Assim que consolidou seu reinado, Davi procurou guiar o povo de volta ao Senhor (2 Sm 6), e a oração de Salomão na consagração do templo foi um passo nesse sentido. Infelizmente, porém, Salomão pecou contra o Senhor e quase destruiu o próprio reino.

Nosso Deus é um Deus glorioso (Ne 9:5). Ele é poderoso (v. 6), fiel (v. 8) e se preocupa com as necessidades de seu povo (v. 9). Ele é um Deus clemente (vv. 17-19) e longânimo quando pecamos (vv. 21, 30), mas que nos disciplina se nos rebelamos (vv. 26ss). É um Deus generoso (vv. 24, 25, 35), que nos dá muito mais do que merecemos. É um Deus que cumpre suas promessas, mesmo se formos infiéis.

 Sem dúvida, esse Deus merece nossa obediência em amor!

Talvez seja chegada a hora de começar de novo.

Adp. WW. Pr. Eli Vieira

Artigo anteriorFranklin Graham chega ao Brasil para participar do Esperança Rio 2022
Próximo artigoAVIVAMENTO, UMA OBRA DE DEUS
Pastor Eli Vieira é casado com Maria Goretti e pai de Eli Neto. Responsável pelo site Agreste Presbiteriano, Bacharel em Teologia, Pós-Graduado em Missiologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, Recife-PE e cursando Psicologia na UNINASSAU. Exerce o seu ministério pastoral na Igreja Presbiteriana do Brasil desde o ano 1997 ajudando as pessoas a encontrarem esperança e salvação por meio de Jesus Cristo. Desde a sua infância serve ao Senhor, sendo educado por seus pais aos pés do Senhor Jesus que me libertou e salvou para sua honra e glória.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here