O que a Igreja Primitiva pode nos Ensinar sobre o Coronavírus?

0
822

A igreja primitiva não estava alheia a pragas, epidemias e histeria em massa. De fato, de acordo com relatos cristãos e também não-cristãos, um dos principais catalisadores para o crescimento explosivo da igreja em seus primeiros anos foi como os cristãos lidaram com doença, sofrimento e morte. A postura da igreja causou uma impressão tão forte na sociedade romana que até imperadores romanos pagãos queixaram-se aos sacerdotes pagãos por causa de seu número declinante, dizendo-lhes para melhorarem sua abordagem.

Então, o que os cristãos fizeram de maneira diferente que abalou o Império Romano? E o que a igreja primitiva pode nos ensinar à luz do coronavírus?

Resposta Não-Cristã às Epidemias
Entre 249 e 262 dC, a civilização ocidental foi devastada por uma das pandemias mais mortais de sua história. Embora a causa exata da praga seja incerta, a cidade de Roma perdeu cerca de 5.000 pessoas por dia no auge do surto. Uma testemunha ocular, o bispo Dionísio de Alexandria, escreveu que, embora a praga não discriminasse entre cristãos e não cristãos, “todo o seu impacto caiu sobre [não-cristãos]”. Tendo notado a diferença entre as respostas cristãs e não-cristãs à praga, ele diz sobre os não-cristãos em Alexandria:

“No início da doença, eles empurraram os doentes para longe e expulsavam seus próprios entes queridos de casa, jogando-os nas estradas, antes mesmo de morrerem, e tratando cadáveres não enterrados como terra, esperando assim evitar a propagação e o contágio da doença fatal; mas, mesmo fazendo tudo o que podiam, achavam que seria difícil escapar”.

Relatos não-cristãos confirmam esse sentimento. Um século depois, o imperador Juliano tentou conter o crescimento do cristianismo após a praga, liderando uma campanha para estabelecer instituições de caridade pagãs que espelhavam o trabalho dos cristãos em seu reino. Em uma carta de 362 d.C., Juliano reclamou que os helenistas precisavam se igualar aos cristãos em virtude, culpando o recente crescimento do cristianismo por sua “benevolência para com estranhos, seu cuidado pelos túmulos dos mortos e a pretensa santidade de suas vidas”. Em outros lugares, ele escreveu: “Pois é uma vergonha isso. . . os ímpios galileus [cristãos] apóiam não apenas seus próprios pobres, mas também os nossos”.

Embora Juliano tenha questionado os motivos dos cristãos, seu constrangimento pelas instituições de caridade helênicas confirma que os esforços pagãos ficaram muito aquém dos padrões cristãos de servir os doentes e os pobres, especialmente durante as epidemias. De acordo com Rodney Stark em A ascensão do cristianismo, isso ocorre porque “por tudo o que [Juliano] instou os sacerdotes pagãos a condizerem com essas práticas cristãs, houve pouca ou nenhuma resposta, porque não haviam bases doutrinárias ou práticas tradicionais para eles se basearem”.

Resposta Cristã às Epidemias
Se a resposta não cristã à praga era caracterizada por autoproteção, autopreservação e evitar os doentes a todo custo, a resposta cristã era o oposto. De acordo com Dionísio, a praga serviu como “educação e teste” para os cristãos. Em uma descrição detalhada de como os cristãos reagiram à praga em Alexandria, ele escreve sobre como “os melhores” dentre eles serviram honrosamente os doentes até que eles mesmos pegaram a doença e morreram:

“Muitos de nossos irmãos cristãos mostraram amor e lealdade ilimitados, nunca poupando a si mesmos e pensando apenas no seu próximo. Indiferentes ao perigo, eles cuidaram dos enfermos, atendendo a todas as suas necessidades e ministrando-os em Cristo, e com eles partiram desta vida serenamente felizes; pois foram infectados por outros com a doença, provocando em si mesmos a doença de seus vizinhos e aceitando alegremente suas dores”.

Da mesma forma, na biografia de Poncius de Cipro, o bispo de Cartago, ele escreve sobre como o bispo lembrou aos crentes que deveriam servir não apenas aos cristãos, mas também aos não cristãos durante a praga:

“Não há nada de extraordinário em apreciar meramente nosso próprio povo com as devidas atenções de amor, mas esse alguém pode se tornar perfeito, que deve fazer algo mais do que homens ou publicanos pagãos, alguém que, vencendo o mal com o bem, e praticando uma bondade misericordiosa como a de Deus, deveria amar seus inimigos também… Assim, o bem foi feito a todos os homens, não apenas à família da fé”.

O impacto desse serviço foi duplo: (1) o sacrifício cristão por seus irmãos crentes impactou o mundo incrédulo ao testemunharem o amor comunitário como nunca haviam visto (João 13:35) e (2) o sacrifício cristão por não-cristãos resultou na igreja primitiva, experimentando crescimento exponencial à medida que os sobreviventes não-cristãos, que se beneficiavam do cuidado de seus vizinhos cristãos, se convertiam à fé em massa.

Resposta Cristã ao Coronavírus
Enquanto continuamos lutando com a forma de responder ao coronavírus, observe como os não-cristãos no Império Romano enfatizaram a autopreservação, enquanto a igreja primitiva enfatizava o serviço sacrificial sem medo. Enquanto os não-cristãos fugiram da epidemia e abandonaram seus entes queridos doentes por temer o desconhecido, os cristãos marcharam para a epidemia e serviram tanto aos cristãos quanto aos não-cristãos, vendo seu próprio sofrimento como uma oportunidade de espalhar o evangelho e modelar o amor cristão.

Se a resposta não cristã à praga era caracterizada por autoproteção, autopreservação e evitar os doentes a todo custo, a resposta cristã era o oposto.

Como podemos colocar essa postura em prática diante do COVID-19, nos diferenciando do mundo em como reagimos à crescente epidemia? Talvez comecemos resistindo ao medo que está levando ao pânico em vários setores da sociedade – em vez disso, modelando a paz e a calma em meio à crescente ansiedade ao nosso redor. Talvez possamos escolher patrocinar restaurantes e empresas asiáticas-americanas locais que outros americanos estão evitando devido a estereótipos baseados no medo. Também podemos procurar servir sacrificialmente nossos vizinhos, respeitando prudentemente os conselhos de profissionais médicos para ajudar a retardar a propagação da doença. Em vez de apenas nossa própria saúde, devemos priorizar a saúde da comunidade em geral, especialmente dos cidadãos mais vulneráveis, exercitando muita cautela sem perpetuar o medo, a histeria ou a desinformação. Isso pode significar custos para nós mesmos – cancelamento de viagens ou eventos planejados, ou mesmo colocar em quarentena se acharmos que fomos expostos – mas devemos aceitar esses custos com alegria.

Se a resposta não cristã à praga era caracterizada por autoproteção, autopreservação e evitar os doentes a todo custo, a resposta cristã era o oposto.


“Outras pessoas não acham que esse é o momento de celebração”, disse Dionísio sobre a epidemia de sua época. “[Mas] longe de ser um momento de angústia, é um tempo de alegria inimaginável”. Para deixar claro, Dionísio não estava comemorando a morte e o sofrimento que acompanham as epidemias. Em vez disso, ele estava se regozijando com a oportunidade que tais circunstâncias apresentam para testar nossa fé – sair do nosso caminho para amar e servir nossos vizinhos, espalhando a esperança do evangelho, tanto em palavras como em ações, em momentos de grande medo. Traduzido por Creuse Santos

Autor do texto: Moses Y. Lee (MDiv, ThM) é um residente de plantação de igrejas no Korean Capital Presbytery (PCA). Ele vive e serve na área metropolitana de DC, EUA Pode-se segui-lo no Twitter em @MosesYLee.

Fonte: https://coalizaopeloevangelho.org/…/o-que-a-igreja-primiti…/

Fonte:Defendendo o Evangelho Facebook

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here