Relatório de organização cristã aponta 11 grupos unidos no ataque terrorista a Israel

0
360

Apresentação do relatório, feita pelo fundador da One Free World International, Majed El Shafie. (Foto: Facebook/One Free World International)

O “Anatomia de um Ataque: A Verdade por Trás do 7 de Outubro” mostra a ligação direta entre os grupos terroristas Hamas e Estado Islâmico.

A One Free World International (OFWI), uma organização cristã em defesa dos direitos humanos, representada pelo seu fundador, Majed El Shafie, apresentou às autoridades o relatório “Anatomia de um Ataque: A Verdade por Trás do 7 de Outubro”.

Em Israel pela segunda vez desde o massacre do Hamas, o cristão evangélico egípcio El Shafie apresentará o documento em reunião no Ministério das Relações Exteriores de Israel.

O relatório da OWFI destaca vários pontos, mas o mais forte é o vínculo entre o Hamas e o Estado Islâmico (ISIS, sigla em inglês).

“Quando iniciamos a investigação, encontramos mais de 11 grupos que se uniram no ataque de 7 de outubro, que levou dois anos para ser preparado”, explicou El Shafie – incluindo treinamento e preparação da rede de túneis subterrâneos.

Porém, ele disse que “o que nos surpreendeu foi a ligação direta entre o Hamas e o ISIS”.

ISIS no 7 de outubro

Ele explica que diferentes grupos afiliados ao Estado Islâmico no Egito operam na província do Sinai (Wilayat Sinai) há mais de uma década. Depois que o ex-presidente egípcio Muhammad Mursi foi destituído do cargo em 2013, os ataques aumentaram.

Sob o presidente Abdel Fattah El-Sisi, que assumiu o poder em 2015, houve repressão aos grupos, que foram expulsos do Egito e retornaram a Gaza; muitos de seus membros eram palestinos.

Segundo El Shafie, esses mesmos membros do ISIS estiveram envolvidos no ataque de 7 de outubro. Ele disse que as duas bandeiras do ISIS encontradas em Israel após o ataque eram autênticas e pareciam aquelas que ele havia visto enquanto lutava contra o grupo jihadista mundial na Síria e no Iraque.

“Lideramos missões de resgate em todo o mundo. O que vimos em Israel lembra as ações do ISIS no Iraque”, sublinhou El Shafie.

Civis de Gaza envolvidos no ataque

Outros pontos do relatório são que o Irã esteve por trás do ataque de 7 de Outubro. Além disso, El Shafie disse que o relatório deixa claro que os civis de Gaza também estavam envolvidos e não apenas o Hamas.

“Mostramos a alegria do povo [de Gaza] – não de todos, mas eu diria da maioria”, disse El Shafie ao Jerusalem Post.

O relatório ressalta também que o Hamas está prejudicando ainda mais os palestinos do que os israelenses, ao negar-lhes direitos humanos fundamentais, ao usar civis como escudos humanos e ao orquestrar o massacre do Qatar, “onde a liderança bebe champanhe e fuma charutos enquanto os palestinos as pessoas estão sofrendo. Eles carregam a responsabilidade por todo sofrimento que acontece aos palestinos”, disse El Shafie.

Capa do relatório “Anatomia de um Ataque: A Verdade por Trás do 7 de Outubro”.  (Foto: Facebook/One Free World International)

Aumento do antissemitismo

Além disso, o relatório centra-se no aumento do antissemitismo. Isto demonstra como o antissemitismo não mudou:

“Você tira os judeus e coloca Israel, e esse é o novo antissemitismo”, disse o ativista cristão – “o mesmo ódio”.

“O objetivo do Hamas é fazer com que Israel reaja às [suas] ações de tal forma que as inevitáveis mortes de civis resultantes virem a opinião internacional contra Israel”, afirma o relatório.

“A comunidade internacional deve permitir que Israel provoque o colapso do Hamas”, apelou El Shafie.

De muçulmano a cristão

El Shafie cresceu no Egito em uma das famílias proeminentes do país. Inicialmente criado como muçulmano, recebeu ensinamentos de desprezo pelos judeus. Seu tio, Hussein El Shafie, renunciou ao cargo de vice-presidente do Egito após a assinatura do acordo de paz com Israel.

Ele conta que desde muito jovem ficou perturbado com a perseguição das minorias no Egito, levando-o a fazer perguntas e expressar suas preocupações.

El Shafie lembra que começou a ler mais e estudar sobre o Cristianismo. Com a ajuda de um amigo cristão, ele finalmente se converteu e, aos 18 anos, tornou-se um ativista cristão.

Após ser descoberto, El Shafie foi preso e torturado.

“Se eu tirasse a jaqueta que estou usando agora, você poderia ver as cicatrizes dessa tortura, que ainda existem por me crucificar e colocar sal e limões em minhas feridas abertas”, disse.

Após ser colocado em prisão domiciliar e posteriormente condenado à pena de morte, El Shafie conseguiu escapar através do Sinai. Atravessando a fronteira, chegou a Israel, onde conseguiu status de refugiado.

Ele foi detido em uma prisão em Beersheba, aguardando um julgamento para comprovar sua condição de refugiado. Após cerca de 18 meses, a Suprema Corte israelense o libertou. Posteriormente, encontrou refúgio no Canadá, onde vive.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO JERUSALEM POST E ONE FREE WORLD INTERNATIONAL

RETIRO IP SEMEAR 2023

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here