Sobreviventes de perseguição comunista transformam igreja em abrigo para refugiados

0
541

Refugiados são recebidos e abrigados por casal missionário que passou por perseguição. (Foto: Reprodução / AG News)

O ministério do casal Gaiduchik se concentra em receber refugiados e ampará-los com ajuda humanitária e espiritual em solo americano.

Vivendo na Ucrânia comunista, em 1989, o casal Victor e Irina Gaiduchik, missionários americanos com Ministérios Interculturais, entendem a ansiedade que os refugiados ucranianos enfrentam ao entrar nos EUA.

“Saímos de nossa casa na província de Volyn, sem um tostão com três filhos e quatro malas, para campos de refugiados na Áustria e na Itália antes de chegarmos aos Estados Unidos”, diz Victor Gaiduchik, 63 anos. “O governo soviético revogou nossa cidadania, deixando-nos apátridas.”

A família de Gaiduchik tem fortes laços com as Assembleias de Deus. Seu avô materno encontrou Jesus como Salvador em 1926 através do ministério do missionário AG Gustav Herbert Schmidt. Ele se tornou um pastor pentecostal e orientou 20 parentes ao cristianismo.

Gaiduchik entregou sua vida a Jesus quando tinha 14 anos. A partir daí, passou a compartilhar sua nova fé nas ruas. Dentro de dois anos, ele pregou em cultos de jovens em igrejas clandestinas proibidas. Até 120 jovens espremidos em suas casas, escondendo-se de agentes de segurança interna da KGB.

Os cristãos evangélicos eram perseguidos na antiga União Soviética (URSS), que se dissolveu em 1991, e promovia o ateísmo. Adultos pegos frequentando igrejas ilegais foram multados. A maioria dos cultos acontecia em casas ou florestas antes do nascer do sol ou à noite.

A perseguição a Gaiduchik chegou aos seus estudos. Seus professores de ensino médio eram pressionados a baixar suas notas. Ele também foi espancado e pressionado a renunciar a Cristo durante o serviço militar obrigatório.

Ele não pôde frequentar uma universidade e teve seu diploma negado após concluir cursos de formação de eletricista em uma escola técnica.

Gaiduchik diz que Deus o ajudou a sobreviver.

Ele pregava regularmente sem salário e sustentava sua família, trabalhando em uma mina de carvão.

Chegando nos EUA

No final da década de 1980, a URSS abriu as portas para os cristãos deixarem a Ucrânia. Depois de superar obstáculos burocráticos, a família Gaiduchik entrou nos EUA, estabelecendo-se em Sacramento, Califórnia.

“Foi um momento incerto para nós, mas eu sabia que estávamos na vontade de Deus”, diz Gaiduchik. “As únicas palavras em inglês que falava era hi, bye-bye e aleluia.”

Gaiduchik se conectou à Assembleia de Deus e passou a frequentar a Trinity School of the Bible, agora Epic Bible College & Graduate School, por dois anos. Ele serviu na Slavic Trinity Church na capital do Golden State por 10 anos e ajudou a plantar três igrejas.

Tanto ele quanto sua esposa foram nomeados missionários dos EUA em 2003.

Ajuda aos refugiados

O ministério do casal atualmente se concentra na coordenação com as igrejas eslavas e o Distrito Nacional Eslavo da AG equipe ajudando os refugiados ucranianos que entraram no país. O distrito eslavo inclui 74 igrejas em 21 estados.

De acordo com Gaiduchik, as igrejas eslavas AG enviaram 1,5 milhão de libras de roupas, comida enlatada, Bíblias e suprimentos médicos em três contêineres para a Ucrânia nos últimos 14 meses.

Gaiduchik entende os pesadelos de horror que os refugiados atuais enfrentam em seu novo país: medo de nunca mais ver os membros da família, aprender um novo idioma, miséria e desgosto deixando suas casas – possivelmente para sempre – além de memórias de ruínas, lugares em chamas e incontáveis mortes. Ele se identifica com a dor deles.

As primeiras décadas da caminhada de Victor Gaiduchik com Cristo foram definidas por risco e perseguição. (Foto: Reprodução / AG News)

Centro Cristão Eslavo de Reavivamento (RSCC) em Sacramento abriu suas portas para refugiados antes da Rússia invadir a Ucrânia em fevereiro. Famílias ucranianas e russas em fuga chegaram sem malas, carregando apenas pequenas sacolas com poucos pertences.

Recebidos em amor

“Vocês nos tratam com amor e nos dão comida, embora soldados russos estejam matando ucranianos”, disse um pai russo chorando.

A igreja possui um prédio que planejava vender, mas agora acomoda um grupo no salão de comunhão e outras salas que fornecem comida e beliches. Atualmente o RSCC abriga 30 refugiados.

Os fiéis também acolheram refugiados em suas casas.

“No começo, as famílias ficaram desconfiadas e questionaram por que estávamos ajudando”, diz o pastor sênior Dmitriy Pridyuk. “Nós apenas mostramos o amor de Deus através de nossas ações e compartilhamos Jesus.”

A Igreja Missionária do Bom Samaritano em Sacramento enviou uma equipe missionária à Polônia e à Ucrânia para uma estadia de uma semana em maio.

“Ajudamos em um centro de refugiados polonês e fornecemos 44 coletes à prova de balas para capelães e voluntários que ministram na linha de frente na província de Ternopil da Ucrânia”, diz Vita Danchuk, assistente de escritório do Bom Samaritano.

Seu pai, Andrey Danchuk, pastoreia a igreja AG e viajou com equipes ajudando refugiados ucranianos que cruzam a fronteira em Tijuana ou entram nos EUA pela Cidade do México.

Em todas essas atividades humanitárias, as pessoas estão respondendo ao evangelho, frequentando cultos e sendo batizadas.

“Nossos irmãos e irmãs eslavos que servem incansavelmente aos refugiados em Sacramento se tornaram pastores e servos de toalhas e bacias”, diz Gaiduchik em referência a João 13:5. “Assim como Jesus.”

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO AG NEWS

RETIRO IP SEMEAR 2023

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here