Terrorista se converte e evangeliza mais de 8 mil detentos na prisão, em Ruanda

0
162

Callixte Karemangingo se converteu durante o tempo que ficou preso por causa de seus crimes e evangelizou milhares de pessoas.t

Hutus promoveram um dos maiores genocídios já vistos na África, com mais de 800 mil pessoas assassinadas. (Foto: Les Inrocks)
Hutus promoveram um dos maiores genocídios já vistos na África, com mais de 800 mil pessoas assassinadas. (Foto: Les Inrocks)

Callixte Karemangingo estava entre os milhares de ruandeses incitados pela propaganda extremista e líderes nefastos no governo de Ruanda, a realizar uma das piores atrocidades que o mundo já viu. Mas isso foi antes de se tornar cristão e perceber que ele tinha dons espirituais.

Em 1994, durante o genocídio contra os tutsis, que tentavam sobreviver, eram orientados a ir a certos locais onde acreditavam que estariam seguros.

Como incontáveis ​​tutsis se reuniram nesses locais (em muitos casos, formavam igrejas ou locais de culto), muitos deles acabaram sendo armadilhas usadas pelos extremistas para promoverem massacres.

Apesar de ser uma nação predominantemente cristã, Ruanda viu mais de 800.000 tutsis e hutus moderados foram mortos no período de três meses, de abril a julho de 1994, por hutus extremistas enfurecidos e forças militares. Extremistas mataram seus vizinhos cristãos.

Callixte, um fazendeiro da etnia Hutu, criador de gado que vivia no distrito de Nyamagabe, estava entre os extremistas que levaram seus vizinhos cristãos tutsis a um “local seguro” em sua comunidade, mas na verdade, ele estava planejando o junto a outros hutus, o assassinato daquelas pessoas.

Alguns deles eram pessoas que ele considerava amigos. Mas esses relacionamentos não o impediram de levá-los à morte certa.

Por quê? Porque havia ódio em seu coração que foi inspirado pelo extremismo tóxico e pela propaganda do governo que levou Callixte e dezenas de milhares de outros a acreditar que os tutsis eram inimigos do Estado de Ruanda.

Mas depois do fim do genocídio e da ascensão de um novo governo, Callixte foi preso em maio de 1995. Ele estava lá junto com milhares de outros perpetradores de genocídio e até hutus que não tinham nada a ver com esses crimes contra a humanidade.

Passando cinco anos na prisão, o Callixte finalmente iniciou um relacionamento pessoal com Cristo.

“[Eu me arrependi] em 8 de fevereiro de 2000. Foi quando tive minha revelação”, disse Callix a repórteres que o visitaram, sua esposa e seus amigos durante uma viagem com a agência humanitária World Vision. “Eu tinha uma voz me dizendo que o ar vai soprar, mas aquele que se arrependeu de seus pecados do fundo do seu coração, esse ar não fará nada para ele.”

Foi nesse ponto que Callixte levou seu relacionamento com Cristo a um novo nível. Ele foi pregado e começou a ler a Bíblia em uma base consistente.

“Foi quando comecei a me arrepender dos meus pecados, todo e qualquer pecado. Concentrei-me principalmente no pecado de participar do genocídio”, disse ele por meio de um tradutor em sua língua nativa de Kinyarwanda.

“Eu estava pensando sobre os ruandeses que foram culpados por sua tribo quando eles não eram culpados. Quando eu pensava sobre isso, eu acabava de sair e começar a chorar.”

Inspirado pela palavra de Deus e os ensinamentos de reconciliação e unidade promovidos pela Frente Patriótica Ruandesa, que subiu ao poder após o genocídio e o fim da Guerra Civil Ruandesa, Callixte disse que tomou a decisão de viver uma vida piedosa.

Ele disse que sabia que deveria ouvir a “boa liderança” que subiu ao poder em seu país, em vez da “má liderança” que permitiu que o genocídio ocorresse.

Canções de paz e reconciliação
Como músico, a mudança de coração de Callixte o inspirou a compor músicas centradas em amor, união, paz e reconciliação. Ele disse que poderia profetizar através da música.

“Essas músicas realmente tocaram a vida das pessoas, principalmente os prisioneiros, e eles começaram a mudar seus hábitos”, disse ele. “Quando comecei a compor essas músicas, eles começaram a me mudar [para lugares diferentes] em outros distritos para cantar essas músicas. Eu até fui à cidade para cantar essas músicas.”

Callixte também disse que começou a pregar dentro da prisão superlotada.

“Tornei-me um professor do tribunal comunitário dentro da prisão. Eu poderia ensiná-los a viver com os outros”, explicou ele. “Eu sempre poderia enfatizar o fato de que Deus me disse que quem pede perdão, ele seria perdoado.”


Callixte passou a evangelizar com as músicas bíblicas que ele compõe. (Foto: World Vision)

No início, ele disse, seus companheiros de prisão ainda eram influenciados pela ideologia que os levou à prisão e rejeitaram seus ensinamentos. Mas eventualmente, ele disse, muitos prisioneiros começaram a ouvi-lo.

Como músico, Callixte se envolveu em diferentes competições, onde ele cantou músicas e foi até recompensado por isso. Mesmo que ele ainda fosse um prisioneiro, ele disse que o governo permitiu que ele mantivesse o dinheiro que ganhava nessas competições.

Como ele se tornou um líder vocal entre os prisioneiros, ele disse que ajudou a levar pelo menos 8.600 prisioneiros ao arrependimento, com muitos deles chegando a conhecer a Cristo.

“O número [8.600] é muito pequeno em comparação com o número de pessoas que pediram perdão e foram libertadas porque disseram a verdade”, disse ele.

Uma das principais passagens da Bíblia que Callixte recitaria enquanto pregava nas prisões era 1 Coríntios 1: 1-30.

Essa passagem pede que os crentes de Cristo estejam “perfeitamente unidos em mente e pensamento” – uma idéia que poderia ter parecido absurda considerando a tensão étnica que existia no país na época.

O pedido de Callixte para que companheiros de prisão se arrependessem de seus pecados foi auxiliado pelo fato de que o governo de Ruanda havia lançado uma iniciativa permitindo que perpetradores pedissem perdão através dos tribunais comunitários locais “Gacaca”.

A iniciativa Gacaca apresentou não apenas a oportunidade para os perpetradores buscarem o perdão de seus crimes de suas vítimas, mas também para os membros da comunidade decidirem qual deveria ser a punição de um perpetrador.

Esta iniciativa foi lançada porque havia muitos casos para o sistema judiciário do país lidar de maneira oportuna.

“Muitas pessoas vieram a conhecer a Cristo e a confessar seus pecados. Eu estava pregando em duas coisas: a diretriz do governo Gacaca e a palavra de Deus”, lembrou Callixte. “Então, para mim, pedir perdão não foi tão difícil.”

Nos anos imediatos após o genocídio, Callixte, sua esposa Marcella e seus filhos tinham um profundo ressentimento por seus vizinhos Andrew Birasa, sua esposa, Madrine e seus filhos.

Andrew, um fazendeiro de café hutu que conhecia o Callixte desde a juventude, foi a pessoa que implicou o Callixte em seus crimes genocidas, o que criou ressentimento entre as duas famílias.

Andrew era amigo do Callix quando eles estavam crescendo. Houve paz e harmonia na aldeia até que a tensão étnica chegou ao auge nos anos 90. A divisão entre Andrew e Callixte veio do fato de Andrew ter casado com Madrine, um tutsi.

Durante o genocídio, os hutus que se casaram com tutsis também eram vistos como inimigos e eram considerados “amantes de tutsis”.

Em 1994, o Callix fazia parte de um grande grupo de perpetradores de genocídio em sua comunidade, responsáveis ​​pela morte dos pais de Madrine e outros membros da família.

Enquanto Callixte estava na prisão, as duas esposas não falavam umas com as outras, seus filhos não brincavam entre si e seus rebanhos não ousavam entrar nas terras um do outro.

Mas tudo isso mudou graças à agência humanitária cristã evangélica World Vision Rwanda, que proporcionou esforços de ajuda e reconciliação em todo o país e em sua comunidade. Iniciando seus programas em 1994, a World Vision hoje é a maior agência humanitária presente na minúscula nação do interior da África.

As duas esposas começaram a se voluntariar para a Visão Mundial e a caridade incentivou as famílias a perdoar e ser perdoadas.

Como o genocídio foi aquele em que os vizinhos invadiram os vizinhos, a Visão Mundial e o governo de Ruanda sabiam que o perdão e a reconciliação seriam componentes centrais na construção de um Ruanda unido. Sem esses componentes, o ressentimento que vizinhos de diferentes lados do genocídio prejudicariam os esforços de recuperação.

Na prisão, Callixte ouviu falar sobre o trabalho que sua esposa e a esposa de Andrew estavam fazendo em conjunto através da Visão Mundial e começou a aprender sobre paz e reconciliação.

Callixte foi levado para o tribunal de Gacaca. Ele confessou seu pecado e pediu perdão a Andrew e sua esposa. Ele também pediu perdão a todos os ruandeses.

“Eles me perdoaram, mas principalmente Andrew e sua esposa”, explicou ele. “Eles me perdoaram e me tiraram da prisão e me perdoaram”.

Andrew disse aos repórteres que, embora fosse difícil perdoar um homem que matou a família de sua esposa, o coração de sua família começou a mudar “lentamente aos poucos”.

“Juntamente com a nossa boa liderança e seus conselhos aos cidadãos, tudo isso nos ajudou a sermos transformados e a viver juntos”, explicou Andrew. “Essas sessões de treinamento na corte de Gacaca possibilitaram que as comunidades se unissem e discutissem quem veio buscar perdão e aqueles que foram ofendidos “.

“Hoje, somos bons amigos e nossas esposas são boas amigas”, acrescentou ele. “Nossos filhos são bons amigos e há muito amor entre as duas famílias”.

Trabalhando juntos

Tendo se reconciliado, Andrew e Callixte puderam discutir seus sentimentos sobre o que aconteceu. Antes de ir para a prisão, Callixte era muito bom em ganhar dinheiro vendendo gado.

Para ajudar a reparar seus crimes, Callix ensinou a Andrew como vender gado.

“Agora ele faz isso ainda melhor do que eu”, brincou Callix. “Trabalhamos juntos de uma maneira que é muito boa. O que me deixa feliz é que minha esposa e sua esposa são tão próximas. Elas compartilham um coração.”

Andrew também contou à Callixte como a World Vision promulgou um programa para distribuir chapas de ferro para ajudar a fornecer telhados resistentes às residências. A World Vision também foi capaz de ajudar o Callixte a construir sua casa.

Além disso, a Callixte e a Andrew começaram a trabalhar juntas quando a World Vision lançou um projeto no qual os vizinhos teriam que combinar lotes para criar fazendas maiores para cultivar plantas de café.

Através do programa, grupos de perpetradores de genocídio e sobreviventes receberam vacas para criar leite e fertilizantes. O fertilizante seria usado para cultivar plantas de café.

Andrew e Callix fizeram parte do mesmo grupo responsável pela colheita das mesmas plantas de café, forçando-as a falar sobre a dor do que ocorreu anos antes.

Os filhos de Andrew e Callixte viram a mudança nos relacionamentos de seus pais e também se aproximaram um do outro.

O primeiro filho de Callixte, Mizero Jean d’Amour (hoje com 23 anos), e o terceiro filho de Andrew, Chantal Irabaruta (hoje com 22 anos), cresceram insuperáveis.

Quando iam para a escola juntos, eles sempre tentavam se sentar um ao lado do outro na aula.

“Um sempre estaria ao lado do outro”, explicou Callix. “Eles são tão próximos que o amor deles supera qualquer amor entre um homem e uma mulher”.

Falando com repórteres na casa de Andrew, os dois casais ficaram felizes em anunciar que seus filhos planejam se casar depois de terminarem a faculdade.

“Para nós, estamos muito felizes com o fato de que nós dois vivemos juntos como famílias e que as pessoas vieram de longe para nos ver.

Isso significa que os dois casais que costumavam ser inimigos ferrenhos um dia se tornarão sogros.

“Como família, apoiamos seus planos e gostaríamos de convidar todos vocês para o casamento”, disse Andrew a repórteres. “Nós continuamos dizendo que é Deus quem fez isso. Com [apenas] força humana, isso não teria sido possível.”

Dons

De acordo com Callixte, muitos ruandeses acreditam que os músicos cristãos também podem ser profetas.

“Eu tenho os dois presentes. Deus me deu discernimento”, disse Callix. “Às vezes, sou capaz de ver algo antes que eles ocorram. Às vezes, posso fazer isso também para os outros e contar sua profecia.”

Andrew disse aos jornalistas que ele acabou dando o sintetizador para a igreja local em sua aldeia. Ele acrescentou que o sintetizador ajudou a igreja a crescer.

“As pessoas ficaram cada vez mais interessadas com um instrumento musical e ainda mais pessoas foram salvas”, disse Andrew.

As duas famílias se tornaram um modelo de reconciliação e outras queriam aprender com elas e ouvir sua história.

“Para nós, estamos muito felizes com o fato de que ambos vivemos juntos como famílias e que as pessoas vieram de longe para nos ver”, disse Madrine, mãe de sete filhos.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here