China escondeu intencionalmente a gravidade do coronavírus, diz inteligência dos EUA

0
498
Chinese President Xi Jinping looks on during a meeting with his Serbian counterpart Tomislav Nikolic in Belgrade, Serbia June 18, 2016. REUTERS/Marko Djurica - RTX2GVVP

A conclusão do relatório é que os números da China são falsos, de acordo com a Bloomberg News.

A China omitiu a verdade e repassou informações falsas sobre o coronavírus, segundo inteligência dos EUA. (Foto: Getty Immages)
A China omitiu a verdade e repassou informações falsas sobre o coronavírus, segundo inteligência dos EUA. (Foto: Getty Immages)

Autoridades de inteligência dos EUA revelaram que a China ocultou a verdadeira extensão do surto de coronavírus em seu país, colocando assim o mundo todo em risco, informou a Bloomberg News na última quarta-feira (1).

Três autoridades americanas não identificadas disseram que um relatório classificado enviado à Casa Branca mostrou que a China reduziu seus relatórios públicos sobre o número de casos e mortes.

A conclusão do relatório é que os números da China são falsos, de acordo com a Bloomberg News, que citou duas das três autoridades.

O documento com as conclusões sobre as alterações nos números foi entregue à Casa Branca na semana passada. Segundo funcionários da inteligência americana que falaram à Bloomberg sob condição de anonimato, ele conclui que a China publicou dados incompletos sobre mortes e contágios pela Covid-19 intencionalmente.

O surto começou na província chinesa de Hubei, em dezembro de 2019. Atualmente, o país comunista registra 82.000 novos casos e 3.300 mortes, segundo dados da pandemia compilada pela Universidade Johns Hopkins. Esses números já estão consideravelmente abaixo aos mais de 189.000 casos e mais de 4.000 mortes nos EUA, que agora têm o maior surto do mundo.

Desconfiança

O ceticismo em relação aos números da China girou ao longo da crise, alimentado por esforços oficiais para reprimir más notícias nos primeiros dias e uma desconfiança geral do governo. Filas longas de pessoas esperando para recolher as cinzas de entes queridos em funerais na semana passada reviveram o debate.

O sistema de saúde em Wuhan, a cidade onde três quartos das vítimas da China morreram, ficou sobrecarregado no auge do surto. Os hospitais transbordaram, os pacientes com sintomas foram enviados para casa e não havia kits suficientes para fazer o teste em todos. Em qualquer país, obter uma imagem completa na neblina da guerra é praticamente impossível.

“O número de casos confirmados de COVID-19 por país parece uma tabela sombria e chama a atenção de muitos”, disse Hsu Li Yang, chefe do programa de doenças infecciosas da Universidade Nacional de Cingapura. “No entanto, é importante entender que esses números – sejam da China, Itália, Cingapura ou EUA – são todos imprecisos e estão subestimados em graus variáveis ​​do número real de infecções”.

Em uma coletiva de imprensa na terça-feira, a Dra. Deborah Birx, coordenadora de resposta da Força-Tarefa de Coronavírus da Casa Branca, apontou os dados “ausentes” da China.

“A comunidade médica interpretou os dados chineses como sendo sérios, mas menores do que se esperava”, afirmou Birx em entrevista coletiva. “Porque, provavelmente … estávamos perdendo uma quantidade significativa dos dados, agora que vemos o que aconteceu com a Itália e o que aconteceu com a Espanha”.

Fazendo “vista grossa”

Em um comentário para o site The Daily Signal, Helle C. Dale, membro sênior em diplomacia pública da The Heritage Foundation, escreve: “Na última década, Pequim investiu pesadamente em ampliar seu alcance de propaganda em todo o mundo, que agora está valendo a pena”.

“A ideia de que algumas agências de notícias americanas e europeias estão dando mais credibilidade à linha partidária chinesa no Coronavírus do que a seus próprios governos é nada menos que bizarra”, observou Dale. “No entanto, aqui estamos nós.”

Dale também cita o Media Research Center, que disse em um relatório: “a mesma mídia que investe continuamente neste inquérito contra Trump não consegue quase inteiramente iluminar as ações do governo chinês”.

“O que é muito mais difícil de entender é a prontidão da grande mídia em dar uma chance a Pequim – o tempo todo demonstrando desdém irracional pelos esforços do presidente dos EUA e de seu governo”, concluiu.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DA BLOOMBERG NEWS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here