Menina cristã é sequestrada e convertida à força para se casar com muçulmano

0
117

Cristãos paquistaneses saem às ruas para protestar contra sequestros de meninas das comunidades minoritárias.

Huma Younas e protestos exigindo sua libertação. (Foto: Reprodução/Opindia)
Huma Younas e protestos exigindo sua libertação. (Foto: Reprodução/Opindia)

A perseguição de minorias no Paquistão continua implacável, enquanto outro sequestro e conversão forçada de meninas pertencentes a comunidades minoritárias ao islamismo vem à tona.

Huma Younus, uma menina cristã de 14 anos de Karachi, foi sequestrada, convertida à força ao Islã e obrigada a se casar com Abdul Jabbar, seu sequestrador.

Segundo relatos, Huma foi sequestrada em 10 de outubro por três homens que esperaram que os pais da garota deixassem a casa antes de pegá-la à força. Ela teria sido levada para Dera Ghazi Khan, uma cidade na província de Punjab, no Paquistão, a cerca de 600 km de sua casa.

Os policiais inicialmente rejeitaram as inúmeras tentativas feitas pelos pais da menina de registrar uma queixa de sequestro. No entanto, após seus esforços de persistência, a polícia apresentou uma queixa em 12 de outubro.

Alguns dias após sua conversão, a família da menina recebeu documentos de conversão e certidão de casamento.

Sua mãe, Nagina Younas, afirmou que os documentos são falsos, pois leva várias horas para chegar onde ela foi levada, mas a data da conversão nos documentos foi a mesma do dia do sequestro. Ela exortou os tribunais paquistaneses a intervir no assunto.

Após a audiência, chocada a mãe da vítima perguntou se as mulheres cristãs no Paquistão deveriam matar suas filhas se o sequestro e a conversão são o que eles destinam.

Os pais da menina pediram ajuda ao primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, ao político da oposição Bilawal Bhutto e ao chefe do exército paquistanês.

Protestos

Cristãos no Paquistão estão se manifestando contra o sequestro e a conversão forçada de meninas de comunidades minoritárias do país.

Eles pedem ao governo paquistanês que tome medidas não apenas para recuperar as vítimas desse abuso, mas que também tome medidas para punir os autores dos crimes, informou a organização International Christian Concern.

De acordo com Peter Jacob, diretor executivo do Centro de Justiça Social (CSJ), nos últimos sete anos, pelo menos 160 meninas da comunidade cristã e hindu do Paquistão foram levadas à força de sua casa, forçadas a se converter ao Islã, e depois, a “se casar” com homens mais velhos.

Sem lei

O advogado Tabassum Yousaf está trabalhando no caso de Huma. Ele alegou que cinco apelos feitos nos tribunais de Karachi não deram resultado.

De fato, agora os sequestradores interpuseram um recurso no Supremo Tribunal, buscando a libertação da garota da autoridade de seus pais, alegando que ela é maior de idade.

De acordo com a International Christian Concern, houve 34 incidentes de sequestro, conversões forçadas, estupro e agressão contra crianças, mulheres nos primeiros nove meses de 2019, mostrando a vulnerabilidade dos cristãos no Paquistão.

Outras minorias

Meninas de outros grupos minoritários também não são seguras no Paquistão. Em um incidente semelhante, uma jovem hindu chamada Chandri Kolhi, de Noukot, Mirpurkhas, foi supostamente sequestrada, convertida e casada com Allah Dino recentemente.

Antes, Jagjit Kaur, uma garota sikh foi sequestrada e convertida à força ao Islã em Nankana Sahib, que causou um grande tumulto. Em outro incidente terrível, Pooja Sotahar Kumari, 13 anos, filha de Fatan Rathore, moradora da aldeia Bakhsho Laghari, no distrito de Hyderabad, Hosri Taluka, foi sequestrada, convertida à força e posteriormente se casou com um homem identificado como Syed Irshad Shah.

O Paquistão é notoriamente famoso por perseguir não apenas minorias religiosas, mas também minorias étnicas dentro de seu próprio país. Os vigorosos programas de conversão têm sido desencadeados com frequência contra as minorias, especialmente cristãos, sikhs e hindus que vivem no Paquistão com extrema brutalidade.

Os policiais inicialmente rejeitaram as inúmeras tentativas feitas pelos pais da menina de registrar uma queixa de sequestro. No entanto, após seus esforços de persistência, a polícia apresentou uma queixa em 12 de outubro.

De acordo com a Lista Mundial de Perseguição de 2019 da Portas Abertas, o Paquistão aparece em quinto lugar.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO OPINDIA

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here