“Por que você está matando cristãos?”, perguntou Trump ao presidente da Nigéria

0
275

Muhammadu Buhari revelou a repórteres no início do mês que o presidente americano o questionou sobre a crescente morte de cristãos nigerianos.

O presidente Donald Trump com o presidente da Nigéria Muhammadu Buhari no Salão Oval da Casa Branca em Washington, em 30 de abril de 2018. (Foto: Kevin Lamarque / Reuters)
O presidente Donald Trump com o presidente da Nigéria Muhammadu Buhari no Salão Oval da Casa Branca em Washington, em 30 de abril de 2018. (Foto: Kevin Lamarque / Reuters)

Em entrevista concedida em 8 de setembro em Abuja, capital da Nigéria, no Retiro de Avaliação de Desempenho Ministerial do primeiro ano de seu segundo mandato, o presidente Muhammadu Buhari disse que durante sua visita à Casa Branca em abril de 2018 o presidente Trump perguntou em particular por que ele estava matando cristãos.

“Quando eu estava em seu escritório, apenas eu e ele, apenas Deus é minha testemunha, ele me olhou na cara, perguntou: ‘por que você está matando cristãos?'”PUBLICIDADE  

O presidente Buhari disse que ficou perplexo com a pergunta, informou o jornal Punch. “Eu me pergunto, se fosse com você, como você reagiria? Espero que o que eu estava sentindo por dentro não tenha traído minha emoção, então disse a ele que o problema era entre os pecuaristas e os fazendeiros estagnados…”.

Em uma chamada à imprensa em junho patrocinada pela ONG In Defense of Christians, com sede em Washington, o ex-congressista americano Frank Wolf chamou a campanha contra os cristãos no Cinturão Médio da Nigéria como um “genocídio” deliberado. A Nigéria estava se tornando o “maior campo de matança de cristãos no mundo”.

Um relatório divulgado no mês passado pela Organização Internacional para a Construção da Paz e Justiça Social, o Comitê Internacional da Nigéria e o Grupo Parlamentar de Todos os Partidos para a Liberdade Religiosa Internacional ou Crença afirma que Boko Haram, Al Qaeda, pastores Fulani e outros grupos islâmicos são os responsáveis pelas mortes de mais de 96.000 cristãos em 21.000 ataques separados.

Eles descobriram que 43.242 cristãos foram mortos por Boko Haram, Estado Islâmico e Al Qaeda; 18.834 morreram em ataques Fulani e 34.233 de outros grupos armados.

O arcebispo Benjamin Kwashi de Jos, secretário-geral do GAFCON (uma rede conservadora de anglicanos) disse na imprensa de junho que as mortes foram “sistemáticas; é planejado; é calculado. “

Ele disse que o objetivo do Boko Haram era expulsar os cristãos do Cinturão do Norte e do Meio e “islamizar a Nigéria”.

No entanto, o governo do presidente Buhari estava ignorando o problema, disse o arcebispo Kwashi.

“Cada vez que levantamos nossas vozes para dizer aos governos que isso está acontecendo, eles sempre produziram uma narrativa política para dizer que são confrontos de agricultores e pastores. Essa narrativa é uma narrativa maligna de encobrimento porque pessoas honestas estarão dormindo em suas casas à noite que serão massacradas, mas será dito que será um confronto. Isso está longe de ser verdade”, disse o arcebispo. “Essas mortes ocorrem especificamente em aldeias cristãs.”

Presidente nega genocídio

O presidente Buhari negou na terça-feira (8/09) que houvesse qualquer campanha deliberada de assassinato ou limpeza religiosa do Norte. O problema era a mudança climática.

“Com a mudança climática e o crescimento populacional e a cultura dos pecuaristas, se você tem 50 vacas e elas comem capim, qualquer raiz, até o seu ponto de água, então eles vão seguir. Não importa de quem seja a fazenda.”

“O conjunto de liderança da Primeira República foi a liderança mais responsável que já tivemos. Pedi ao Ministro da Agricultura para obter um diário do início dos anos 60 que delineava a rota do gado, onde eles usavam os escassos recursos para construir represas de terra, moinhos de vento e até mesmo departamentos sanitários.”

“Então, qualquer criador de gado que permitisse que seu gado fosse para a fazenda de alguém seria preso e levado ao tribunal. O fazendeiro seria chamado para apresentar sua conta e se não pudesse pagar, o gado seria vendido, mas os líderes subsequentes, as (pessoas muito importantes) invadiram as rotas do gado. Eles ocuparam as áreas de criação de gado.”

“Então, eu tentei e expliquei ao (presidente Trump) que isso não tem nada a ver com etnia ou religião. É uma coisa cultural.”

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ETERNITY NEWS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here