“Sou um juiz melhor por causa de Jesus”, diz William Douglas

0
767
William Douglas em evento da Lifeshape Brasil em SP. (Foto: Davi Seiffert)

O desembargador federal afirma ser um homem de dois livros: a Bíblia e a Constituição.

Durante um encontro com pastores, líderes e profissionais cristãos na última quarta-feira (17), em São Paulo, o desembargador federal William Douglas apresentou-se como “um homem de dois livros” — a Bíblia e a Constituição.

“O primeiro e mais importante é a Bíblia. Sou cristão, aceitei Jesus e esse livro me direciona. Mas eu também sou professor universitário e desembargador federal no Tribunal Regional Federal da 2ª região, então meu outro livro é a Constituição Federal. Enquanto o primeiro livro depende de fé para ser seguido, o segundo é a grande regra para todos os brasileiros, quer você goste ou não”, disse William.

PUBLICIDADE

O juiz federal foi palestrante de um evento promovido pela Lifeshape Brasil, uma organização cristã que atua no desenvolvimento de lideranças. Também estiveram presentes executivos da Chick-fil-A, empresa baseada em valores cristãos nos EUA.

Dentro da temática do encontro, no qual o Guiame esteve presente, William Douglas foi chamado a responder à pergunta: Como o cristão pode ser relevante na sociedade? 

Ele então começou a refletir: “Antes disso, eu pergunto: como o cristianismo foi relevante na minha vida?”

“Sou pai, marido e um cidadão muito melhor do que seria se não fosse Jesus”, disse ele. “Jesus criou um juiz que se preocupa com o próximo. Se não fosse isso, estaria apenas preocupado com a minha carreira.”

PUBLICIDADE

Trajetória impulsionada pelos “nãos”

Até conseguir vender mais de 1, 2 milhão de livros e dar palestras para mais de 2,5 milhão de pessoas no Brasil, William Douglas teve que lidar com muitos “nãos”.

Os primeiros “nãos” foram no início, nas repetidas reprovações nos concursos públicos. Depois de procurar ajuda entre os primeiros colocados das provas e ouvir o simpático conselho “se vira”, Douglas resolveu estudar com mais empenho e foi aprovado não apenas em uma, mas em diversas provas.

Ele foi o 1º colocado nos concursos para juiz de direito, defensor público e delegado de polícia. Além disso, também conseguiu ser o 3º colocado no concurso nacional de monografias sobre a Justiça Federal, 4º colocado para professor de direito na Universidade Federal Fluminense, 5º colocado no para analista judiciário e 8º colocado para Juiz Federal.

Muitas pessoas passaram a procurá-lo para entender como ele passou a conseguir tantas aprovações. A resposta “se vira”, na visão cristã de William, não era a mais adequada. Então ele decidiu publicar um livro de 700 páginas com dicas.


Encontro entre executivos da Chick-fil-A e líderes em SP. (Foto: Davi Seiffert)

Nessa fase, William encarou mais “nãos” — as editoras não enxergaram vantagem em publicar este tipo de conteúdo. Mais uma vez, o juiz federal decidiu fazer diferente. Ele fundou a Impetus, sua própria editora.

Daí surgiu o best seller “Como passar em provas e concursos“, o que o levou a ser conhecido como o “guru dos concursos”.

Testemunho na vida profissional

William acredita que até mesmo o desempenho e os resultados profissionais podem testemunhar o caráter cristão.

Em 2020, seu último ano atuando em um Tribunal de Primeira Instância, a 4ª Vara Federal de Niterói, a produtividade de sua equipe era de 121%.

“Um juiz foi na 4ª Vara perguntar para mim: William, como você consegue com o mesmo número de funcionários, o mesmo tipo de processo e o mesmo equipamento, produzir tão mais do que os outros?”

Ao responder, William entregou a ele o livro “As 25 leis bíblicas do sucesso”, um exemplar da Bíblia e disse: “Aqui nós praticamos a Bíblia — não de forma proselitista, mas de forma laica”, esclareceu. 

“Ele foi ao meu gabinete para ser evangelizado. Eu não tive que ir ao mundo, o mundo veio até mim quando eu tive um resultado secular que atrai.”

Luz do mundo

William afirma que costuma passar à sua equipe de trabalho algumas verdades bíblicas, como a de Efésios 6:7-8, que diz: “Sirvam aos seus senhores de boa vontade, como ao Senhor, e não aos homens, porque vocês sabem que o Senhor recompensará a cada um pelo bem que praticar, seja escravo, seja livre.”

“Eu ensino que a Bíblia diz que você deve tratar o público como gostaria de ser tratado. Você deve tratar como se fosse o próprio Jesus Cristo. Jesus Cristo está no balcão. Tudo o que fizermos, devemos fazer de todo o coração, como se fosse para Deus”, disse.

E destacou: “É absolutamente fantástico o resultado que você tem quando pessoas não cristãs entendem que os princípios bíblicos funcionam, independente da tradição religiosa. E no caso dos cristãos, quando você consegue mostrar para eles que seu trabalho é um campo missionário e um campo de serviço”.

“O que evangeliza é sermos cartas vivas de Cristo, o nosso comportamento. As palavras às vezes são úteis”, acrescentou.

Por fim, William lembra do chamado de Jesus a todos os cristãos, para serem “luz do mundo”.

“Imputa-se às empregadas domésticas evangélicas o crescimento do Evangelho na classe média”, exemplificou. “Temos que ser brilhantes em tudo o que fazermos, e quando virem as nossas boas obras, nós temos que dizer: não sou eu, é o Cristo que vive em mim. E isso servirá de testemunho, evangelismo, glória para Cristo e para melhorar esse mundo.”

FONTE: GUIAME, LUANA NOVAES

RETIRO IP SEMEAR 2023
Artigo anteriorZAQUEU, UM HOMEM TRANSFORMADO PELA GRAÇA
Próximo artigoCOMUNHÃO COM DEUS
Pastor Eli Vieira é casado com Maria Goretti e pai de Eli Neto. Responsável pelo site Agreste Presbiteriano, Bacharel em Teologia, Pós-Graduado em Missiologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, Recife-PE e cursando Psicologia na UNINASSAU. Exerce o seu ministério pastoral na Igreja Presbiteriana do Brasil desde o ano 1997 ajudando as pessoas a encontrarem esperança e salvação por meio de Jesus Cristo. Desde a sua infância serve ao Senhor, sendo educado por seus pais aos pés do Senhor Jesus que me libertou e salvou para sua honra e glória.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here