11 cristãos condenados por sua fé desaparecem da prisão no Vietnã

0
210

Imagem ilustrativa. (Foto: Unsplash/Hédi Benyounes).

Os seis protestante e cinco católicos foram presos por se recusarem a negar a fé, e foram acusados de “minar a política de unidade nacional”.

Onze cristãos, que foram condenados por suas atividades religiosas, desapareceram da prisão, no Vietnã, causando preocupações sobre o tratamento dos seguidores de Cristo presos no país comunista.

Segundo o International Christian Concern (ICC), organização que apoia cristãos perseguidos no mundo, os 11 homens, seis protestantes e cinco católicos, foram detidos, em momentos diferentes, entre 2011 e 2016. 

Juntas, as sentenças dos cristãos somam 90 anos e oito meses de prisão. Agora, o paradeiro deles é um mistério.

Perseguidos pelo regime comunista

Na época, os seis protestantes foram acusados de “minar a política de unidade nacional”, devido ao seu envolvimento no protestantismo do povo Degar, um movimento que não é aprovado pelo regime comunista do Vietnã.

De acordo com a Comissão dos Estados Unidos sobre Liberdade Religiosa Internacional (USCIRF), um deles, chamado Sung A Khua, teve a casa danificada, e ele e a família foram expulsos de sua aldeia por não negarem sua fé em Cristo.

Mais tarde, eles foram autorizados a voltarem, mas Sung continuou sendo perseguido e foi preso por “desmatamento”, após usar árvores perto de sua residência para reconstruir sua casa.

Outro protestante, Y Hriam Kpa, foi detido pelas autoridades após se recusar a fechar sua igreja.

O povo Degar, também conhecido como Montagnards, é um povo tribal indígena que vive nas Terras Altas Centrais do país. Na Guerra do Vietnã, muitos deles foram aliados dos Estados Unidos e se converteram ao cristianismo.

De acordo com o grupo de defesa Campaign to Stop Torture in Vietnam, “funcionários do governo rotineiramente forçam os cristãos de Montagnard a se retratarem publicamente de sua religião, [e] aqueles que continuam a adorar em igrejas domésticas independentes enfrentam espancamentos e prisões”.

Já os cinco católicos, Runh, A Kuin, A Tik, Run e Dinh Kuh, também foram acusados de “minar a política de unidade nacional” por participarem da Igreja Católica Ha Mon, uma denominação que não é regularizada pelo regime vietinamita.

A USCIRF denunciou que, além dos 11 presos desaparecidos, outros quatro detentos cristãos sofreram tortura e maus-tratos.

Alguns pastores, que trabalham no Vietnã, também relataram que foram forçados a informar o número de fieis de sua igreja e os nomes dos que frequentam.

Perseguição no Vietnã

As autoridades vietnamitas têm um histórico de perseguição e hostilidade contra os cristãos, especialmente em vilas onde são constantemente vigiados.

As autoridades locais utilizam diversas formas de perseguição, incluindo pressionar os maridos a se divorciarem de suas esposas cristãs, o que também prejudica os filhos. Quando os maridos se recusam a fazê-lo, todos os subsídios governamentais, como alimentos, educação e fonte de renda, são cortados.

O Vietnã ocupa a 35ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2024, que classifica os 50 países onde os cristãos enfrentam as maiores perseguições no mundo.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DE INTERNATIONAL CHRISTIAN CONCERN

RETIRO IP SEMEAR 2023
Artigo anteriorIgrejas na Ucrânia cultuam no escuro após Rússia bombardear rede elétrica
Próximo artigoSem Palavras
Pastor Eli Vieira é casado com Maria Goretti e pai de Eli Neto. Responsável pelo site Agreste Presbiteriano, Bacharel em Teologia, Pós-Graduado em Missiologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, Recife-PE e cursando Psicologia na UNINASSAU. Exerce o seu ministério pastoral na Igreja Presbiteriana do Brasil desde o ano 1997 ajudando as pessoas a encontrarem esperança e salvação por meio de Jesus Cristo. Desde a sua infância serve ao Senhor, sendo educado por seus pais aos pés do Senhor Jesus que me libertou e salvou para sua honra e glória.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here