Maioria da população na Escócia não tem religião, segundo o censo

0
358

Os números reforçam as evidências crescentes do aumento do secularismo na Escócia. (Foto: Unsplash/Kyler Nixon)

Dados do censo escocês de 2022 mostram que o secularismo aumentou acentuadamente ao longo da década.

A maioria das pessoas na Escócia declara não seguir nenhuma religião, marcando a primeira vez em que atitudes seculares superaram a identidade religiosa.

Os dados do último censo escocês, realizado em 2022, revelam que 51% da população afirmou não pertencer a nenhuma religião, um aumento significativo em comparação aos 36,7% registrados em 2011.

Igreja da Escócia, outrora a dominante igreja presbiteriana, que está atualmente realizando sua assembleia geral anual em Edimburgo, foi a mais afetada pelo aumento do secularismo.

O censo revelou que o número de pessoas que se identificaram com a Igreja da Escócia caiu mais de um terço ao longo da década, diminuindo de 32,4% da população em 2011 para 20,4%, ou 1,1 milhão de pessoas, em 2022.

Católicos

O número de católicos na Escócia também diminuiu, embora de forma menos dramática, passando de 15,9% para 13,3%, ou 723 mil pessoas.

O censo revelou que os imigrantes poloneses constituem o maior grupo étnico minoritário da Escócia, representando 1,7% da população. Em muitas partes do país, os católicos poloneses contribuíram para aumentar a frequência à igreja.

No geral, a Escócia agora apresenta maior diversidade étnica. Quase 13% da população afirmou pertencer a uma minoria étnica, em comparação com 8,2% em 2011 e 4,5% em 2001. O censo revelou que 1,3% da população é de ascendência ou origem paquistanesa, 1% irlandesa, 1% indiana e 1% africana.

Ateísta e agnostíco

Os números reforçam as evidências crescentes do aumento do secularismo na Escócia, refletido na frequência à igreja e nos dados sobre casamentos. A Igreja da Escócia, em particular, está vendendo igrejas e fundindo paróquias em um esforço para se adaptar. Em 2022, apenas 60.000 pessoas frequentavam suas igrejas.

No geral, apenas 38,8% da população da Escócia se declarou cristã, uma diminuição em relação aos 54% em 2011. A Inglaterra e o País de Gales também registraram declínios na identificação religiosa, embora a um ritmo mais lento, com 46,2% das pessoas afirmando serem cristãs.

Fraser Sutherland, diretor-executivo da Sociedade Humanista da Escócia, afirmou que os dados reforçam o argumento de que as igrejas não deveriam mais ter permissão para participar de comitês de educação dos conselhos e que as escolas públicas não deveriam promover a observância religiosa.

“Quando o censo atual foi enviado em 2022, incentivamos as pessoas perguntadas a serem honestos sobre suas crenças, caso não fossem religiosas”, disse ele.

E continuou: “Esses resultados confirmam que mais pessoas se sentem confiantes e abertas para expressar uma visão de mundo ateísta, secular ou agnóstica como nunca antes.”

Identidade religiosa

A divulgação destes dados do censo sobre identidade religiosa, línguas e etnia, também mostrou:

– Mais de 60% das pessoas com 49 anos ou menos disseram não ter religião.

– 1,1% das pessoas disseram ser de etnia mista, acima dos 0,4% em 2011.

– O número de pessoas que se declararam muçulmanas aumentou em 43.100 e a proporção foi de 2,2%.

– Dos 2,9% de pessoas que afirmaram ser “outros brancos”, três quartos se descreveram como europeus.

Este censo também registrou um aumento no número de pessoas que afirmaram saber ler, escrever e falar um pouco de gaélico, de 32.000 em 2011 para 43.800 em 2022. Esta descoberta contrasta com outros estudos que relatam uma queda acentuada naqueles que falam gaélico como primeira língua.

O número de pessoas que disseram falar escocês até certo ponto também cresceu, passando de 37,7% para 46,2%. Esse aumento sugere que a maior exposição e validação recente da língua levou mais pessoas a se identificarem como falantes de escocês.

O censo também confirmou que a população da Escócia cresceu devido à migração interna. Durante a última década, o número de pessoas nascidas na Escócia caiu em 90.400, uma queda compensada por 49.200 pessoas que se mudaram para a Escócia vindas de outras partes do Reino Unido e pelas 185.600 pessoas nascidas no exterior.

Imigração

Jon Wroth-Smith, diretor de estatísticas do censo do National Records of Scotland, afirmou: “Sem a migração, a população da Escócia teria diminuído e teríamos menos pessoas nas faixas etárias mais jovens.”

Segundo o The Guardian, o Scottish Catholic Media Office não respondeu aos pedidos de comentários.

O reverendo David Cameron, convocador da assembleia de curadores da Igreja da Escócia, afirmou que os dados eram “preocupantes” e refletiam tendências de longo prazo. No entanto, ele ressaltou que a relevância da Igreja não se mede apenas em números.

“Nossas reformas dos últimos anos buscaram abordar o que a igreja é hoje e como podemos servir às pessoas de novas maneiras, em diferentes lugares e tempos”, disse ele.

“Desde cuidar dos idosos, administrar iniciativas de apoio à dívida e serviços de recuperação de uso e dependência de substâncias, até apoiar solicitantes de asilo, refugiados e aqueles deslocados pela guerra, a igreja se destaca em acolher e cuidar do estrangeiro, que é o que Jesus chama os cristãos a fazerem.”

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO GUARDIAN

RETIRO IP SEMEAR 2023
Artigo anteriorAlém das fronteiras: tema da Campanha Anual da APMT 2024
Próximo artigoLuz ou Trevas? Por Onde Você Anda?
Pastor Eli Vieira é casado com Maria Goretti e pai de Eli Neto. Responsável pelo site Agreste Presbiteriano, Bacharel em Teologia, Pós-Graduado em Missiologia pelo Seminário Presbiteriano do Norte, Recife-PE e cursando Psicologia na UNINASSAU. Exerce o seu ministério pastoral na Igreja Presbiteriana do Brasil desde o ano 1997 ajudando as pessoas a encontrarem esperança e salvação por meio de Jesus Cristo. Desde a sua infância serve ao Senhor, sendo educado por seus pais aos pés do Senhor Jesus que me libertou e salvou para sua honra e glória.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here