CENTENÁRIO DA 1ª IGREJA PRESBITERIANA DE ITABUNA

0
1540

Centenário da 1ª Igreja Presbiteriana de Itabuna

O presbiterianismo ingressou no sul da Bahia no alvorecer do século 20, sendo em 07/06/1906 organizada a igreja de Canavieiras, a primeira da região. O vasto campo missionário incluía a Fazenda Cachoeira, em Cachoeira de Itabuna (município de Ilhéus), onde surgiu um pequeno núcleo de crentes que recebia assistência dos pastores de Canavieiras. As primeiras pessoas desse local a professarem a fé foram Felismina M. Larchert (1905) e Felipe Boaventura Caetano (1906), recebidos pelo Rev. Henry John McCall. Posteriormente, o Rev. Salomão Barbosa Ferraz recebeu Otaviano Ferreira Veloso (1910) e o Rev. Estevão de Araújo recebeu Laura Veloso (1914), Filomena S. Rocha, Guiomar Rocha, Dária Rocha, Maria José Rocha (1915) e Joaquim Cavalcante (1917), entre outros. Um templo foi construído em 1913 na Fazenda Perseverança, do Coronel Hermínio Rocha.

Na cidade de Itabuna, os primeiros presbiterianos foram a professora Sancha Galvão, seu esposo Manoel Galvão, bem como as famílias Veloso, Rocha, Cavalcante, Caetano e Campos. Sancha, que era irmã do Rev. Manoel Antônio dos Santos, fundou na cidade a Escola Americana, onde teve a colaboração de Eulália Alcântara, irmã do Rev. Otacílio Alcântara. Outros participantes dos primeiros tempos foram Ceslau Coffran dos Passos, José Elias Paim (ex-colportor), duas jovens vindas de Cachoeira e dois jovens alfaiates vindos da igreja da Mangueira. Em janeiro de 1923, o Presbitério Bahia-Sergipe (fundado em 1907), recebeu o pedido da congregação de Cachoeira de Itabuna para ser organizada em igreja, nomeando para tal o Rev. Juventino Marinho, Rev. Estêvão de Araújo e Pb. José Ramos de Andrade. A organização se deu no dia 06.05.1923, ficando a nova igreja sob os cuidados do Rev. Estêvão de Araújo. Tornou-se, assim, a segunda igreja presbiteriana do sul baiano.

A sede da igreja foi transferida da Fazenda Cachoeira para Itabuna, com endereço na rua Benjamin Constant (atual Ruffo Galvão). Nas primeiras décadas, além de Estêvão de Araújo, a igreja teve os seguintes pastores: licenciado Edgar Regis (1930), Basílio Catalá Castro (1931-1932), Jorge Buarque Lira (1933), Alexander Reese (1934-1938), Manoel Antônio dos Santos (1939-1947), Donato Demétrio Soares (1948) e Abimael Monteiro de Lima, cujo profícuo ministério se estendeu por quase duas décadas (1949-1967). No início desse período, em janeiro de 1950, o Presbitério Bahia-Sergipe se desdobrou, sendo criados os Presbitérios de Campo Formoso, Salvador e Itabuna, este último constituído das igrejas de Itabuna, Canavieiras, Atividade (Itamaraju), Cachoeira, Cabeças e a Congregação Presbiterial de Feira de Santana (as três últimas em caráter temporário).

Além do Rev. Abimael de Lima (1917-2003), os ministros fundadores do novo concílio foram Emiliano Gonçalves Guimarães, Joel Rocha, Manoel Antônio dos Santos, Martinho Lutero dos Santos e Milton Ferreira Ribeiro. Três meses depois, em abril de 1950, foi instalado o Sínodo Bahia-Sergipe. O majestoso templo de Itabuna foi inaugurado em 1953 na Avenida Inácio Tosta Filho. O Rev. Abimael teve os seguintes sucessores no pastorado de Itabuna: Emiliano Gonçalves Guimarães (1968-1973), Idelfonso Trindade (1974), Romaris Cândido de Almeida (1975-1976), Carlos Freitas Cortes (1977-1978), Eliezer de Araújo (1979-1981), Enoque José de Araújo (1982-1988), Emanuel de Menezes Costa (1989-2004), Erison Silva Galvão (2005-2007), Humberto Ferreira da Costa (2008-2019) e Éder de Jesus Lima, pastor atual, tendo como auxiliar o Rev. Marcelo Rocha, descendente dos fundadores.

A igreja de Itabuna destacou-se por sua crescente liderança na região, suas empolgantes atividades musicais, seu vigoroso trabalho feminino, masculino e juvenil. Conta atualmente com 210 membros e é mãe de várias igrejas: 2ª Igreja (1987), Jardim das Oliveiras (1994), Filadélfia (2007), 5ª Igreja (2008), Vale de Bênçãos (2010), Itajuípe (2013) e congregações de Esperança (a ser organizada este ano), Buerarema e Ubaitaba. Outras igrejas do sul baiano são as de Atividade/Itamaraju (1930), Ilhéus (1952), Camacan (1957), Vitória da Conquista (1960), Guaratinga (1965), Itapetinga (1965), Leoventura (1973), Eunápolis (1982), Pau Brasil (1984), Jequié (1986), Belmonte (1996), Porto Seguro (2000), Una (2001) e Coaraci (2006). A história presbiteriana na cidade e região foi registrada pelo Rev. Arnou Sena Lobo em seus livros Palmeira Florescente, Os Frutos da Palmeira, Memórias do Presbiterianismo em Terras Grapiúnas e 1ª Igreja Presbiteriana de Itabuna (1923-2023): cem anos de história.

Fonte: Site da IPB em 23/06/23 https://www.ipb.org.br/conteudos_detalhe?conteudo=1090

RETIRO IP SEMEAR 2023

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here